Potencial de aquecimento global diminuiu 4,5% em 2018

Segundo os dados, como sucede desde 1999, “o ramo de atividade económica que mais contribuiu para o potencial de aquecimento global foi a energia, água e saneamento (32,2%)”, sendo que face a 2017, “este foi também o ramo de atividade que mais reduziu as suas emissões (-11,4%)”.

Os principais indicadores ambientais apresentaram decréscimos à medida que a atividade económica crescia em 2018, indica o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira, 14 de outubro. O potencial de aquecimento global apresentou um decréscimo de 4,5%, o de acidificação caiu 2,4% e o de formação de ozono troposférico também caiu 1,6%, sendo que a economia cresceu 2,7%.

Desta forma, os dados do INE sustentam que se verificou uma redução do impacto ambiental com o crescimento económico, uma alteração face ao que tinha sucedido em 2017.

De acordo com o gabinete estatístico, o potencial de aquecimento global atingiu 66,9 milhões de toneladas de equivalente de dióxido de carbono (CO2) em 2018. “As emissões para a atmosfera de dióxido de carbono, óxido nitroso (N2O) e metano (CH4) diminuíram 6%, 0,8% e 0,5%, pela mesma ordem, em comparação a 2017. Por sua vez, as emissões de outros gases aumentaram 4,4%.

No entanto, apesar da diminuição observada em 2018, os valores de potencial de aquecimento global continuam acima dos valores verificados em 2013 e 2014, os mais baixos desde 2010.

Segundo os dados, como sucede desde 1999, “o ramo de atividade económica que mais contribuiu para o potencial de aquecimento global foi a energia, água e saneamento (32,2%)”, sendo que face a 2017, “este foi também o ramo de atividade que mais reduziu as suas emissões (-11,4%)”.

O ramo da energia, água e saneamento foi responsável por 16,8 milhões de toneladas de emissões de dióxido de carbono, sendo que deste ramo, a indústria foi responsável por 14,6 milhões de toneladas de emissões, “representando no seu conjunto 61,3% do total das emissões de CO2 para a atmosfera”. A agricultura, silvicultura e pesca emitiram as maiores quantidades de metano e óxido nitroso, respetivamente 45,9% e 48,1%.

A intensidade carbónica, que quantifica a relação entre as emissões do potencial de aquecimento global necessárias para a obtenção de todos os bens e serviços produzidos, mostra que a economia portuguesa foi a que verificou a menor intensidade da série em análise em 2018, apresentando um decréscimo de 7,2% face ao ano anterior. Entre 2010 e 2018, a intensidade carbónica portuguesa decresceu 6,9%.

Ler mais
Recomendadas

Zero pede suspensão de novas centrais de biomassa

A associação pede que “qualquer intenção de instalação de novas centrais de biomassa seja de imediato suspensa”, defendendo que primeiro tem que se avaliado de forma séria “qual o potencial de biomassa florestal residual existente” e o que é que é atualmente utilizado por diferentes setores da indústria.

“Descartável voltou a invadir as nossas vidas”, lamenta ministro do Ambiente

“O descartável voltou a invadir as nossas vidas”, apontou o ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, que participava, esta tarde, num debate no âmbito do Visão Fest Verde, juntamente com o deputado do Bloco de Esquerda (BE) José Manuel Pureza e o advogado e antigo secretário de Estado do Ambiente José Eduardo Martins.

Nova política agrícola comum “alimenta a destruição ecológica”, acusa Greta Thunberg

“Onze meses após o Parlamento Europeu declarar o estado de emergência climática, o mesmo parlamento votou numa política agrícola que – em suma – alimenta a destruição ecológica com quase 400 mil milhões de euros”, acusou Greta Thunberg, numa mensagem assinada também pelos ativistas ambientais Luisa Neubauer, Adélaïde Charlier, Camille Etienne e Anuna van der Heyden.
Comentários