Poupança das famílias portuguesas caiu quase 3 pontos percentuais em seis anos

Entre 2010 e 2016, a taxa de poupança das famílias portuguesas recuou de 9,2% para 5,9%, segundo os dados do Eurostat. No ano passado, deverá ter sido de 5,3%.

A proporção de dinheiro que as famílias portuguesas estão a poupar diminuiu significativamente entre 2010 e 2016, quando comparada com a União Europeia. A taxa de poupança das famílias, calculada em percentagem do rendimento disponível bruto, caiu de 9,2% para 5,9% nesses seis anos.

Segundo os dados divulgados esta quinta-feira pelo Eurostat, a estimativa é a de que continue a cair, ainda que ligeiramente, para os 5,3% (2017). Na comunidade única, em 2010 a taxa foi de 12,1% e em 2016 fixou-se nos 10,8%, segundo o organismo de estatística europeu.

Neste período de tempo, a taxa de poupança anual das famílias na União Europeia manteve-se relativamente estável, variando entre os 11% e os 13%. Já a taxa na zona euro variou entre 12% e 14%, durante os mesmos anos.

Em 2016, o último ano para o qual há dados disponíveis oficiais, as taxas de poupança anual mais elevadas foram observadas no Luxemburgo (20%), na Suécia (19%), na Alemanha (17%) e em França (14%). Por outro lado, as mais baixas foram as do Chipre (-2%), da Lituânia (0%), da Letónia (3%) e da Polónia (4%).

Fonte: Eurostat

Ler mais
Recomendadas

PremiumPortugal atinge recorde de 24 milhões de turistas em 2019

Presidente do Turismo de Portugal acredita que o crescimento verificado no final do primeiro semestre se irá manter na segunda metade do ano.

Tem carro a gasóleo? Vem aí novo aumento na próxima semana

Já a gasolina vai sofrer uma descida pela segunda semana consecutiva.

PremiumIndústria 4.0: Aposta na formação é essencial para futuro da economia

Em janeiro deste ano a CIP publicou um estudo, elaborado pela McKinsey Global Institute e pela Nova School of Business and Economics, que apontou que a robotização e automação de alguns setores da economia poderão extinguir 1,1 milhões de postos de trabalho na próxima década.
Comentários