Poupança das famílias portuguesas caiu quase 3 pontos percentuais em seis anos

Entre 2010 e 2016, a taxa de poupança das famílias portuguesas recuou de 9,2% para 5,9%, segundo os dados do Eurostat. No ano passado, deverá ter sido de 5,3%.

A proporção de dinheiro que as famílias portuguesas estão a poupar diminuiu significativamente entre 2010 e 2016, quando comparada com a União Europeia. A taxa de poupança das famílias, calculada em percentagem do rendimento disponível bruto, caiu de 9,2% para 5,9% nesses seis anos.

Segundo os dados divulgados esta quinta-feira pelo Eurostat, a estimativa é a de que continue a cair, ainda que ligeiramente, para os 5,3% (2017). Na comunidade única, em 2010 a taxa foi de 12,1% e em 2016 fixou-se nos 10,8%, segundo o organismo de estatística europeu.

Neste período de tempo, a taxa de poupança anual das famílias na União Europeia manteve-se relativamente estável, variando entre os 11% e os 13%. Já a taxa na zona euro variou entre 12% e 14%, durante os mesmos anos.

Em 2016, o último ano para o qual há dados disponíveis oficiais, as taxas de poupança anual mais elevadas foram observadas no Luxemburgo (20%), na Suécia (19%), na Alemanha (17%) e em França (14%). Por outro lado, as mais baixas foram as do Chipre (-2%), da Lituânia (0%), da Letónia (3%) e da Polónia (4%).

Fonte: Eurostat

Ler mais

Recomendadas

“Já se demitiram?”. Ana Gomes reage aos ‘Luanda Leaks’ e pede afastamento de Carlos Costa

Ex-eurodeputada já reagiu à revelação dos ‘Luanda Leaks’ e pergunta se Carlos Costa e Fernando Teixeira dos Santos já se demitiram.

Site da APAF pirateado numa manifestação de apoio a Rui Pinto

O site da APAF, que entretanto já voltou à normalidade, surgia com uma configuração completamente diferente da habitual, já que era apresentada com uma foto de destaque de Rui Pinto.

PremiumPSD remete alterações ao OE para depois de eleições internas

Propostas dos sociais-democratas só dão entrada no Parlamento a partir da próxima semana. Direção de Rui Rio chama a si proposta de redução do IVA da eletricidade por ter “relevo político nacional”.
Comentários