Preços da oferta turística em Cabo Verde diminuíram no terceiro trimestre

O movimento dos preços das dormidas em hotéis e dos aldeamentos turísticos determinantes para este comportamento do Índice de Preços Turísticos, segundo o INE local.

A taxa de variação homóloga registada pelo Índice de Preços Turísticos (IPT) de Cabo Verde foi de -10,9 por cento (%) no terceiro trimestre deste ano, inferior em 5,7 pontos percentuais (p.p.) face ao valor registado no trimestre anterior, revelou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE) local.

De acordo com o boletim do INE divulgado hoje, a variação trimestral observada no terceiro trimestre de 2019 foi nula (0,0%), superior em 6,6 p.p. e de sentido contrário ao valor registado no trimestre anterior (-6,6%), reflexo do padrão de sazonalidade deste indicador.

No terceiro trimestre de 2018 esta variação foi positiva e relativamente intensa, situando-se 6,3 p.p. acima da atual.

Os dados indicam que a classe dos hotéis, cafés e restaurantes apresentou uma variação homóloga de -11,0%, valor inferior em 5,8 p.p. à verificada no trimestre anterior. A esta variação correspondeu uma contribuição de -10,9 p.p. para a variação do IPT total.

Por outro lado, o INE informa que o movimento dos preços das dormidas em hotéis (com uma contribuição negativa de 12,41 p.p.) e dos aldeamentos turísticos (estes com uma menor contribuição negativa de 0,14 p.p.) foram determinantes para este comportamento do IPT total.

Os dados revelam que a taxa de variação no trimestre em análise foi nula (0,0%), valor superior em 6,6 p.p. à registada no trimestre anterior em que o mesmo se situara em -6,6%. No mesmo trimestre do ano anterior verificara-se igualmente uma variação em cadeia positiva (6,3%), superior em 13,6 p.p. à do II trimestre de 2018.

Segundo o INE, estes resultados são a consequência de movimentos sazonais de natureza mensal, com particular incidência na componente de alojamento. Concretamente, a variação deste trimestre face ao anterior revela uma diminuição significativa, embora de menor amplitude que no trimestre anterior, dos preços dos serviços de alojamento, com particular incidência nos prestados por hotéis (-0,1%) e aldeamentos turísticos (-0,3%).

O documento explica que nos serviços prestados por residenciais verificou-se um aumento dos preços (0,1% e nos restantes serviços turísticos registaram-se variações nulas face ao trimestre anterior.

As ilhas, Santo Antão, Boa Vista e Santiago apresentam variações trimestrais de sinal negativo (-0,4%, -0,6%, e -0,3%, respetivamente) que foram determinantes para o movimento do IPT nacional compensando assim o movimento positivo verificado nas ilhas de São Vicente e Sal. A atividade turística nestas ilhas corresponde a cerca de 56,1% da atividade a nível nacional.

As ilhas de Santo Antão e Santiago registaram um comportamento de quebra no nível dos preços face ao trimestre anterior com contribuições para a taxa de variação homóloga trimestral do IPT marginalmente negativas (-0,01 p.p. e -0,005 p.p., pela mesma ordem). A da Boa Vista apresenta marcada contribuição negativa para variação homóloga trimestral do IPT total (-0,27 p.p.).

A variação face ao trimestre homólogo dos preços dos serviços turísticos na ilha de São Vicente correspondeu a uma contribuição marginalmente positiva para o IPT total de 0,0003 p.p., que não atenuou significativamente as contribuições negativas das restantes Ilhas com especial relevo para o Sal (-4,08) e Boa Vista (-6,62). A nível de variação trimestral, indicou, todas as ilhas determinaram pelas suas contribuições o andamento do IPT Total com valores mais marcados para a Boa Vista e Sal.

Ler mais
Recomendadas

Mais seis casos de Covid-19 em Cabo Verde aumentam total para 542

Dos novos casos, cinco são da ilha de São Vicente, que eleva o total para nove, e o outro foi diagnosticado em Santa Catarina de Santiago, que torna-se no oitavo município do país com casos confirmados da doença.

Número de mortos em África sobe para 4.902 em quase 177 mil casos

Nas últimas 24 horas África teve mais 6.971 infectados e mais 146 mortes.

Futuro de Cabo Verde exige “super governo e super banco central”, diz economista

“As políticas a serem adotadas serão decisivas a nível do futuro que teremos tanto na economia mundial como na economia nacional. Desde já, eu penso que é fundamental termos um plano de estabilização económica e social, que deverá cobrir quatro dimensões”, disse José Luís Neves, secretário-geral da Câmara de Comércio de Sotavento.
Comentários