Preços da oferta turística em Cabo Verde diminuíram no terceiro trimestre

O movimento dos preços das dormidas em hotéis e dos aldeamentos turísticos determinantes para este comportamento do Índice de Preços Turísticos, segundo o INE local.

A taxa de variação homóloga registada pelo Índice de Preços Turísticos (IPT) de Cabo Verde foi de -10,9 por cento (%) no terceiro trimestre deste ano, inferior em 5,7 pontos percentuais (p.p.) face ao valor registado no trimestre anterior, revelou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE) local.

De acordo com o boletim do INE divulgado hoje, a variação trimestral observada no terceiro trimestre de 2019 foi nula (0,0%), superior em 6,6 p.p. e de sentido contrário ao valor registado no trimestre anterior (-6,6%), reflexo do padrão de sazonalidade deste indicador.

No terceiro trimestre de 2018 esta variação foi positiva e relativamente intensa, situando-se 6,3 p.p. acima da atual.

Os dados indicam que a classe dos hotéis, cafés e restaurantes apresentou uma variação homóloga de -11,0%, valor inferior em 5,8 p.p. à verificada no trimestre anterior. A esta variação correspondeu uma contribuição de -10,9 p.p. para a variação do IPT total.

Por outro lado, o INE informa que o movimento dos preços das dormidas em hotéis (com uma contribuição negativa de 12,41 p.p.) e dos aldeamentos turísticos (estes com uma menor contribuição negativa de 0,14 p.p.) foram determinantes para este comportamento do IPT total.

Os dados revelam que a taxa de variação no trimestre em análise foi nula (0,0%), valor superior em 6,6 p.p. à registada no trimestre anterior em que o mesmo se situara em -6,6%. No mesmo trimestre do ano anterior verificara-se igualmente uma variação em cadeia positiva (6,3%), superior em 13,6 p.p. à do II trimestre de 2018.

Segundo o INE, estes resultados são a consequência de movimentos sazonais de natureza mensal, com particular incidência na componente de alojamento. Concretamente, a variação deste trimestre face ao anterior revela uma diminuição significativa, embora de menor amplitude que no trimestre anterior, dos preços dos serviços de alojamento, com particular incidência nos prestados por hotéis (-0,1%) e aldeamentos turísticos (-0,3%).

O documento explica que nos serviços prestados por residenciais verificou-se um aumento dos preços (0,1% e nos restantes serviços turísticos registaram-se variações nulas face ao trimestre anterior.

As ilhas, Santo Antão, Boa Vista e Santiago apresentam variações trimestrais de sinal negativo (-0,4%, -0,6%, e -0,3%, respetivamente) que foram determinantes para o movimento do IPT nacional compensando assim o movimento positivo verificado nas ilhas de São Vicente e Sal. A atividade turística nestas ilhas corresponde a cerca de 56,1% da atividade a nível nacional.

As ilhas de Santo Antão e Santiago registaram um comportamento de quebra no nível dos preços face ao trimestre anterior com contribuições para a taxa de variação homóloga trimestral do IPT marginalmente negativas (-0,01 p.p. e -0,005 p.p., pela mesma ordem). A da Boa Vista apresenta marcada contribuição negativa para variação homóloga trimestral do IPT total (-0,27 p.p.).

A variação face ao trimestre homólogo dos preços dos serviços turísticos na ilha de São Vicente correspondeu a uma contribuição marginalmente positiva para o IPT total de 0,0003 p.p., que não atenuou significativamente as contribuições negativas das restantes Ilhas com especial relevo para o Sal (-4,08) e Boa Vista (-6,62). A nível de variação trimestral, indicou, todas as ilhas determinaram pelas suas contribuições o andamento do IPT Total com valores mais marcados para a Boa Vista e Sal.

Ler mais
Recomendadas

Privatização da Cabo Verde Airlines estará concluída até 31 de dezembro

O documento do Ministério das Finanças cabo-verdiano refere que o processo de venda de 51% das ações da TACV ao parceiro estratégico, Loftleidir Cabo Verde, foi assinado a 1 de março deste ano e que a venda dos restantes 49% dos títulos decorre com “toda a normalidade”.

Regulador cabo-verdiano apresenta normas sobre fundos de investimento e titularização de créditos

O objetivo é que o documento contribua para o desenvolvimento dos “pilares normativos fundamentais” do mercado de valores mobiliários de Cabo Verde.

Navios GSLINES querem chegar de Lisboa à Praia em cinco dias

A antiga Portusline Containers International passará a chamar-se GSLINES após a fusão de companhias de transportes marítimos, disse ao Económico Cabo Verde Pedro Amaral Frazão, administrador do Grupo Sousa.
Comentários