Preços de produtos importados por Cabo Verde aumentam 1,8% em março

A taxa de variação mensal registada pelo índice de termos de troca foi de -2,6%, valor inferior em 2,1 pontos percentuais face ao registado no mês anterior, ainda segundo o INE cabo-verdiano. 

Os preços dos produtos importados por Cabo Verde aumentaram 1,8%, em março deste ano, valor superior em 1,7 pontos percentuais face ao registado no mês anterior, segundo dados publicados hoje pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE) cabo-verdiano.

De acordo com o Índice de Preços do Comércio Externo, a taxa de variação mensal dos preços dos produtos exportados fixou-se em -0,8%, em março, valor inferior em 0,4 pontos percentuais face ao registado em fevereiro.

A taxa de variação mensal registada pelo índice de termos de troca foi de -2,6%, valor inferior em 2,1 pontos percentuais face ao registado no mês anterior, ainda segundo o INE.

No mês de março, aquele instituto cabo-verdiano constatou que os aumentos dos preços ocorreram nas categorias de bens de consumo (3,1%), bens intermédios (2,8%) e combustíveis (1,5%).

Em sentido contrário, as diminuições dos preços ocorreram na categoria de bens de capital (-3,9), o que foi justificado pela descida de preços de máquinas (-4,5%).

Recomendadas

Vacinas doadas por Portugal permitem manter vacinação em Cabo Verde

“Vai ter uma grande importância no nosso processo de vacinação”, afirmou o primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, no aeroporto da Praia, após a descarga de um lote de vacinas da AstraZeneca, doado por Portugal e transportado num avião da TAP.

UNIO conecta empresas de Viseu ao continente africano

As empresas de Viseu, as senegalesas e outras do continente africano inscritas na APP UNIO partilham os seus dados, área de negócios, serviços e necessidades, contactando “automaticamente com aquelas que estejam a disponibilizar serviços semelhantes ou a precisar de vagas de trabalho”, explica a Câmara Municipal de Viseu.

FMI diz que ajuda financeira à Guiné-Bissau dependerá das reformas que concretizarem

O Programa Monitorizado pelo Corpo Técnico vai indicar o tipo de reformas a realizar na Guiné-Bissau, que, segundo o FMI, permitirão “reduzir gradualmente os grandes desequilíbrios macroeconómicos intensificados pelo impacto da pandemia da covid-19, reforçando a governação e as redes de apoio social, rumo a um crescimento mais inclusivo”.
Comentários