“Preços ultra-baixos”: Canadá já vende petróleo a 6,45 dólares por barril

O petróleo canadiano Western Canadian Select caiu para 6,45 dólares por barril. Na Sibéria, o petróleo russo é vendido a menos de 10 dólares e os preços negociados nos mercados chineses também caíram para um dígito, segundo a agência Bloomberg.

David M. Parrott/Reuters

A réstia de esperança que os testes rápidos à Covid-19 propagaram no mercado dos EUA foi suficiente para amortecer a queda das cotações de petróleo durante esta manhã, com as cotações dos futuros do WTI a recuperarem 6,02% às 11h11 de Lisboa, sendo negociados a 21,32 dólares por barril, contra os 20,09 dólares fixados ontem, segunda-feira, no fecho dos mercados.

O ânimo foi diferente, em Londres, na cotação dos futuros de Brent, que ontem fecharam a 26,42 dólares por barril e que hoje, à mesma hora de Lisboa, estavam a ser negociados a 27,30 dólares, o que reflete uma subida de 3,37%. O grande problema é que apesar dos principais índices do sector – as cotações do Brent e do WTI – estarem abaixo dos níveis que viabilizam a indústria petrolífera, os pequenos produtores nem sequer chegam a vender o seu petróleo aos valores negociados para os barris de Brent e de WTI. Segundo a agência Bloomberg, além dos baixos preços negociados para o Wyoming Sweet – que é um dos melhores petróleos extraídos no centro oeste dos EUA –, também o Light Sweet do Dakota do Norte foi negociado a 9,97 dólares por por barril.

No Canadá, o Western Canadian Select caiu para 6,45 dólares por barril. Na Sibéria, o petróleo russo é vendido a menos de 10 dólares e os preços negociados nos mercados chineses também caíram para um dígito, segundo a Bloomberg.

O petróleo continua com preços inferiores a 30 dólares por barril, e a travagem rápida da atividade económica, por efeito da pandemia da Covid-19 não permite perspetivar grandes subidas de cotações durante abril. Pelo contrário. Segundo a agência Bloomberg, “a indústria (do petróleo nos EUA) está a preparar-se para algo que aconteceu nesta escala há 35 anos” e que é o encerramento dos poços de petróleo, porque a sua atividade deixou de fazer sentido económico.

A agência noticiosa refere que a situação da pandemia, da Índia à California, já envolve um número tão elevado de pessoas infetadas que a procura de produtos petrolíferos continua a cair por força do excesso de oferta existente nos mercados internacionais (que não é escoada, porque não há compras em quantidades suficientes para canalizar todo o petróleo disponível para ser vendido). A Bloomberg refere mesmo “o peso de um excesso (de petróleo) sem precedentes”.

No meio da América rural, a agência noticiosa foi encontrar – numa refinaria de petróleo de Coffeyville –, pessoas de idade avançada que recordaram épocas em que os preços do petróleo se aproximaram dos baixos valores a que atualmente estão a ser negociados, como os 1,75 dólares que a pequena refinaria local está disposta a oferecer por cada barril do sweet crude do Wyoming que esta unidade industrial precisa de comprar para “alimentar” a sua atividade de refinação. Este mesmo problema repete-se em vários cantos do mundo, no Canadá, na Rússia, na Índia e na China, em África e na América do Sul.

A Bloomberg quantifica o excesso de oferta de petróleo no mercado – provavelmente majorado pela guerra de preços entre a Arábia Saudita e a Rússia, que levou os sauditas a bombar ao débito máximo a sua extração de petróleo, inundando os mercados com um excedente de barris de petróleo, muito antes de serem sentidos os efeitos de travagem da economia provocados pela Covid-19 –, com uma ordem de grandeza que já envolverá cerca de 20% do consumo global.

Agora, as consequências no sector petrolífero serão inevitáveis, implicando que muitas unidades de extração, muitos poços onshore e muitas plataformas offshore sejam “desligadas”, isto é, que encerrem atividade enquanto as condições de mercado não absorverem o excedente de petróleo que há em todo o mundo.

No sector petrolífero fala-se agora de “preços ultra-baixos”, o que leva grupos de grande dimensão como a estatal brasileira Petrobras a cortar a produção em 100 mil barris por dia, nas plataformas offshore de alto custo. Segundo a Bloomberg, o gigante das commodities Glencore já está a fechar os seus campos petrolíferos no Chade.

Ler mais

Relacionadas

Covid-19 deve levar PSI 20 a fechar hoje o pior trimestre desde 2002

Até ao final de 30 de março, o principal índice bolsista português registou a segunda maior queda trimestral neste século, pressionado pelo impacto económico da propagação do novo coronavírus. Nem na crise financeira de 2008 a bolsa nacional caiu tanto.

Produtores de petróleo começam a pagar para livrar-se da matéria-prima, alerta Commerzbank

O primeiro tipo de petróleo a ser vendido a um preço negativo foi o Wyoming Asphalt Sour, utilizado principalmente para produzir asfalto para pavimentos, segundo a “Bloomberg”.

Crise no setor de petróleo pode ser a pior em 100 anos, diz presidente da Petrobras

Presidente da petrolífera brasileira explica que as petrolíferas estão a ser duplamente afetadas pelo ambiente atual de negócios, atingido pela crise do Covid-19, em que tanto a procura como o preço do petróleo e derivados estão em queda, explicou o líder da estatal brasileria. Roberto Castello Branco defende que se está a viver um momento sem precedentes.
Recomendadas

Portugal em 7º lugar no indicador global de literacia financeira, segundo a OCDE

Portugal, através do Ministério da Educação, participou pela primeira vez, em 2018, no exercício de avaliação de literacia financeira do Programme for International Student Assessment (PISA), cujos resultados foram divulgados no passado dia 7 de maio.

80,6 mil milhões de euros. Mark Zuckerberg já é mais rico que Warren Buffett

O ‘Business Insider’ explica que a subida de Zuckerberg se deveu aos resultados inesperados da plataforma e ao aumento do número de utilizadores durante o primeiro trimestre de 2020.

António Saraiva: “Empresas precisam de apoios a fundo perdido. Não querem agravar dívida”

O barómetro semanal CIP/ISCTE revela que 82,2% das empresas preferem apoios para capitalização que não agravem o seu endividamento e 41,7% dizem que querem suspender ou cancelar investimentos previstos para 2020. O presidente da CIP, António Saraiva diz que as necessidades das linhas de apoio às empresas aumentaram para 10,5 mil milhões de euros.
Comentários