Prédio que “derrotou” a família Trump está à venda em Nova Iorque

Emblemático arranha-céus novaiorquino Chrysler Building foi colocado à venda no mercado imobiliário.

Um dos ícones arquitetónicos de Nova Iorque, que ao longo dos últimos 90 anos tem marcado o “skyline” da cidade que nunca dorme, foi colocado à venda. Trata-se do edifício “art deco” Chrysler Building, no número 405º da avenida Lexington, famoso pelas suas características gárgulas com cabeças de águia, sucessivamente utilizado pela indústria cinematográfica como porta-estandarte da imagem novaiorquina. Este é um prédio que também ficou na história de Nova Iorque por ter “derrotado”, no início dos anos 30 do século passado, a ambição que o patriarca da família Trump tinha em construir o prédio mais alto da cidade. O Chrysler Building acabou por ficar mais alto que a torre Trump.

Dois dos seus mais recente proprietários – desde 2008 -, o fundo de investimento do Abu Dhabi, Mubadala, juntamente com a imobiliária Tishman Speyer, contrataram o CBRE Group para colocarem o imóvel à venda no mercado internacional, de acordo com o The Wall Street Journal. Segundo o porta-voz da Mubadala, Brian Lott, “o valor reputacional do Chrysler Building é muito elevado para um comprador adequado”, refere igualmente a CNN Business.

No ano em que foi concluído, em 1930, o Chrysler Building passou a ser o prédio mais alto a nível mundial – com 282 metros de altura – e assim se manteve durante um ano, até que o Empire State Building tivesse sido inaugurado, a meio de Manhattan. O edifício é da autoria do arquiteto William Van Alen e foi encomendado pelo dono da fábrica de automóveis Chrysler, Walter Percy Chrysler, para nele instalar a sede da sua empresa.

Na altura em que foi construído, o Chrysler Building venceu a corrida ao título do prédio mais alto de Nova Iorque, batendo a torre que o patriarca da família Trump – Fred Trump, pai do atual presidente Donal Trump – estava a construir no número 40º da Wall Street, precisamente o The Trump Building.

Atualmente ainda é um dos edifícios mais altos de Nova Iorque – o sexto prédio no “skyline” novaiorquino – esperando-se que passe a ser o sétimo quando for inaugurada a nova torre de negócios que está em fase de conclusão no lado oeste de Manhattan.

Em julho de 2008, o Chrysler Building foi transacionado pela Prudential Financial, gestora do fundo alemão ProVictor IV, que vendeu a sua participação de 75% no Chrysler ao Abu Dhabi Investment Council. O fundo ProVictor tinha comprado a participação no ediício novaiorquino em 2001.

Entre as maiores transações imobiliárias efetuadas em Nova Iorque conta-se a venda do hotel Waldorf Astoria ao grupo segurador chinês Anbang Insurance em 2016, por cerca de dois mil milhões de dólares. Em Chicago, a torre Sear, posteriormente batizada com o nome de Willis Tower, também está entre as maiores transações imobiliárias, tendo sido comprada em 2015 pelo grupo Blackstone, por 1,3 mil milhões de dólares.

Ler mais
Recomendadas

Brexit: que países serão mais atingidos por uma saída sem acordo?

O exercício é necessariamente incompleto, mas o ING, instituição financeira de origem holandesa, estudou que países vão ser mais afetados pelo Brexit. Portugal não faz parte do topo do quadro, mas ninguém sai sem alguma perturbação.

Portugal envia militares, médicos e equipa da proteção civil para Moçambique

O anúncio foi feito hoje, em Lisboa, pelo ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), Augusto Santos Silva.

Moçambique: 30 portugueses por localizar na cidade da Beira

“Há ainda portugueses que não estão localizados: temos na embaixada 30 pedidos de localização”, referiu o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, poucas horas depois de ter chegado a Maputo, de onde seguirá num voo doméstico para a cidade da Beira.
Comentários