Prédio que “derrotou” a família Trump está à venda em Nova Iorque

Emblemático arranha-céus novaiorquino Chrysler Building foi colocado à venda no mercado imobiliário.

Um dos ícones arquitetónicos de Nova Iorque, que ao longo dos últimos 90 anos tem marcado o “skyline” da cidade que nunca dorme, foi colocado à venda. Trata-se do edifício “art deco” Chrysler Building, no número 405º da avenida Lexington, famoso pelas suas características gárgulas com cabeças de águia, sucessivamente utilizado pela indústria cinematográfica como porta-estandarte da imagem novaiorquina. Este é um prédio que também ficou na história de Nova Iorque por ter “derrotado”, no início dos anos 30 do século passado, a ambição que o patriarca da família Trump tinha em construir o prédio mais alto da cidade. O Chrysler Building acabou por ficar mais alto que a torre Trump.

Dois dos seus mais recente proprietários – desde 2008 -, o fundo de investimento do Abu Dhabi, Mubadala, juntamente com a imobiliária Tishman Speyer, contrataram o CBRE Group para colocarem o imóvel à venda no mercado internacional, de acordo com o The Wall Street Journal. Segundo o porta-voz da Mubadala, Brian Lott, “o valor reputacional do Chrysler Building é muito elevado para um comprador adequado”, refere igualmente a CNN Business.

No ano em que foi concluído, em 1930, o Chrysler Building passou a ser o prédio mais alto a nível mundial – com 282 metros de altura – e assim se manteve durante um ano, até que o Empire State Building tivesse sido inaugurado, a meio de Manhattan. O edifício é da autoria do arquiteto William Van Alen e foi encomendado pelo dono da fábrica de automóveis Chrysler, Walter Percy Chrysler, para nele instalar a sede da sua empresa.

Na altura em que foi construído, o Chrysler Building venceu a corrida ao título do prédio mais alto de Nova Iorque, batendo a torre que o patriarca da família Trump – Fred Trump, pai do atual presidente Donal Trump – estava a construir no número 40º da Wall Street, precisamente o The Trump Building.

Atualmente ainda é um dos edifícios mais altos de Nova Iorque – o sexto prédio no “skyline” novaiorquino – esperando-se que passe a ser o sétimo quando for inaugurada a nova torre de negócios que está em fase de conclusão no lado oeste de Manhattan.

Em julho de 2008, o Chrysler Building foi transacionado pela Prudential Financial, gestora do fundo alemão ProVictor IV, que vendeu a sua participação de 75% no Chrysler ao Abu Dhabi Investment Council. O fundo ProVictor tinha comprado a participação no ediício novaiorquino em 2001.

Entre as maiores transações imobiliárias efetuadas em Nova Iorque conta-se a venda do hotel Waldorf Astoria ao grupo segurador chinês Anbang Insurance em 2016, por cerca de dois mil milhões de dólares. Em Chicago, a torre Sear, posteriormente batizada com o nome de Willis Tower, também está entre as maiores transações imobiliárias, tendo sido comprada em 2015 pelo grupo Blackstone, por 1,3 mil milhões de dólares.

Ler mais
Recomendadas

Investimento estrangeiro: Macron ‘vende’ França como o país mais atrativo da Europa

Presidente francês convidou para o Palácio do Eliseu dezenas de empresários de topo em trânsito para Davos. O encontro, que faz parte de uma estratégia chamada ‘Escolha a França’, parece ter sido um sucesso.

Britânica Dyson deixa Londres e parte a caminho de Singapura

James Dyson, fundador da empresa de eletrodomésticos e um dos empresários que fez campanha em favor do Brexit, diz que a mudança tem apenas a ver com as inúmeras oportunidades que surgem na Ásia.

Quatro mulheres deixaram água e comida a migrantes. Foram condenadas nos EUA

Ativistas foram condenadas por um juiz norte-americano no final da semana passada. É a primeira sentença criminal por causas humanitárias no espaço de uma década.
Comentários