Presidenciais: Mayan acusa ministro da Educação de atacar a liberdade de aprender e ensinar

O candidato presidencial Tiago Mayan Gonçalves acusou esta sexta-feira o ministro da Educação de “ataque à liberdade” de aprender e de ensinar e de fazer um nivelamento “por baixo de toda a população”.

“Não há nenhum tipo de justificação para combate à pandemia que impeça (…) que ocorram aulas ‘online’. Isto é importantíssimo e o senhor Presidente da República tem de sair imediatamente do seu silêncio cúmplice e fazer ver que o estado de emergência, que ele próprio decretou, não permite isto”, afirmou o candidato apoiado pela Iniciativa Liberal (IL).

Tiago Mayan Gonçalves quis começar o último dia de campanha eleitoral a falar do encerramento das escolas e a lançar duras críticas ao ministro Tiago Brandão Rodrigues e ao adversário nesta corrida eleitoral, o Presidente e recandidato, Marcelo Rebelo de Sousa.

O ministro da Educação anunciou que a interrupção letiva de 15 dias para conter a pandemia de covid-19, decidida na quinta-feira, em Conselho de Ministros, será aplicada também no ensino particular e será compensada no Carnaval, na Páscoa e durante o verão.

Mayan classificou a conferência de imprensa do ministro como “inenarrável” e um “símbolo do que tem sido o desempenho deste Governo nos últimos tempos”.

O candidato, que falava aos jornalistas no Porto, apontou a “absoluta demonstração da impreparação e da incapacidade” e o “desprezo pela iniciativa privada e pelos direitos fundamentais dos cidadãos”.

“O senhor Presidente da República tem de fazer ver ao senhor ministro da Educação que o estado de emergência decretado não permite o ataque à liberdade de aprender e de ensinar. O que vimos ontem (quinta-feira) do senhor ministro é um ataque direto a estes direito fundamentais dos cidadãos e não pode ser aceite”, frisou Tiago Mayan.

O candidato considerou que o objetivo máximo de Tiago Brandão Rodrigues “é esta visão de autoritarismo do Estado e de nivelamento por baixo de toda a população”

“Isto é um ataque à possibilidade de as escolas privadas poderem, por exemplo, exercer ‘online’ a lecionação dos alunos. As próprias escolas públicas, tendo essa capacidade, poderiam fazê-lo”, sublinhou.

E, reforçou, o que o “senhor ministro preconiza é o nivelamento por baixo de toda a população, sem nenhum tipo de justificação e sem nenhum tipo de cobertura com o atual estado de emergência”.

“Este estado de emergência não permite o ataque que estamos a ver ao direito de ensino e de livremente aprender e de ensinar”, afirmou.

Na sua opinião, o “nivelamento por baixo é o caminho para a desgraça e não pode ser uma estratégia” e lembrou que foi “o próprio ministro da Educação que afirmou que isto é simplesmente antecipar umas férias”.

“Porque é que as escolas privadas têm que antecipar as férias e não podem fazê-lo no seu momento certo? Cabe a cada um fazer a suas opções”, salientou.

Tiago Mayan Gonçalves considerou “incompreensível porque é que tem de ocorrer a suspensão das atividades letivas” e acusou o Governo de não “cumprir a promessa que fez de assegurar os recursos informáticos para, no início deste ano letivo, essa possibilidade poder ser assegurada”.

“Hoje, à hora de abertura das escolas, o decreto que regulamentava as novas medidas anunciadas ainda não tinha sido publicado. Portanto, isto é um sinal que este Governo já nem o momento consegue gerir adequadamente”, salientou.

Concorrem às eleições presidenciais de domingo sete candidatos, Marisa Matias (apoiada pelo Bloco de Esquerda), Marcelo Rebelo de Sousa (PSD e CDS/PP) Tiago Mayan Gonçalves (Iniciativa Liberal), André Ventura (Chega), o ex-militante do PS Vitorino Silva, mais conhecido por Tino de Rans e presidente do RIR – Reagir, Incluir, Reciclar, João Ferreira (PCP e PEV) e a militante do PS Ana Gomes (PAN e Livre).

Relacionadas

“Escolas estão preparadas para o ensino à distância”, defende Tiago Brandão Rodrigues

“Se 15 dias chegam? Sabemos que é uma janela temporal pequena. Hoje estou contente porque as escolas estão preparadas para ir para o ensino à distância. Depois teremos que ou voltar presencialmente ou recorrer ao ensino à distância”, realçou o governante em conferência de imprensa.

Fecho das escolas. Brandão Rodrigues critica privados de “ziguezaguear para fazer diferente”

“Esta é uma pausa letiva para todos, este ziguezaguear para fazer diferente é o que nos tem causado problemas. Reitero que todas as atividades letivas estão encerradas”, reforçou o governante.
Recomendadas

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.

Pandemia com tendência crescente entre população acima dos 80 anos

Apesar de manter uma intensidade reduzida e incidência estável, o que resulta em baixa mortalidade e pressão nos serviços de saúde, a pandemia volta a dar sinais de crescimento em quase todas as regiões do país, com o R(t) a nível nacional a chegar a 1,00.

PCP: “Não tem havido grande evolução” nas negociações com o Governo sobre o OE2022

Segundo Jerónimo de Sousa, o partido transmitiu a Marcelo Rebelo de Sousa a importância de o orçamento do próximo ano ter incluídas medidas essenciais, nomeadamente de valorização dos salários, das reformas e das pensões, reforço da rede de creches e dos serviços públicos.
Comentários