PremiumPresidente da AEP: “Regredimos mais de uma década ao nível das exportações”

Longe de terem desaparecido, os problemas de capitalização das empresas podem encontrar forte apoio no Banco de Fomento. Mas Luís Miguel Ribeiro, presidente da Associação Empresarial de Portugal, considera que também é necessário um choque fiscal.

Depois de uma primeira fase em que as propostas do Governo para combater a pandemia do lado da economia motivaram uma generalizada aceitação por parte da maioria das organizações patronais, o fim do lay-off simplificado marcou o “antes” e o “depois” desse alinhamento. A partir daí, as associações passaram a dar voz às empresas que consideravam o fim do lay-off simplificado como um passo atrás na defesa de empresas, emprego e capacidade de geração de novos empregos. O Governo não tem sido sensível a estes argumentos – ou, pelo menos, não suficientemente sensível – e voltou a instalar-se um ambiente de tensão entre os dois lados. Luís Miguel Ribeiro, presidente da Associação Empresarial de Portugal, dá voz a esse descontentamento. E alerta que a carga fiscal é o sintoma mais evidente de que as empresas estão sem ‘chão’ para avançarem na retoma.

O resultado é a incapacidade de o tecido empresarial responder favoravelmente à necessidade de arranque da economia. Que, recorda Luís Miguel Ribeiro, está sem margem para readquirir uma das suas principais caraterísticas anteriores à Covid-19: a capacidade exportadora, que, diz, está aos níveis pré-adesão à CEE. A esperança, ou parte dela, está agora no Banco de Fomento – uma novela que, segundo o Governo, tem finalmente um fim à vista. Resta saber que margem consideram ter António Costa e Pedro Siza Vieira para avançarem nesse sentido.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Alphabet com lucros de 11,25 mil milhões de dólares num terceiro trimestre em que receitas voltaram a crescer

Vindos do primeiro trimestre com uma diminuição de receitas na história da companhia, a empresa-mãe da Google volta agora em força, em parte empurrada pelas verbas associadas à publicidade.

Facebook aumenta lucro no terceiro trimestre impulsionado pela publicidade

A rede social também revela que conseguiu diminuir para metade as despesas relacionadas com “geral e administração”, em grande parte devido ao encerramento de escritórios um pouco por todo o mundo, acompanhando a tendência do teletrabalho.

Amazon com lucros 6,3 mil milhões de dólares, acima das previsões dos analistas

A empresa do homem mais rico do mundo conseguiu lucros e receitas acima das projeções dos analistas, sendo que, para o último trimestre do ano, a empresa antecipa resultados ainda mais fortes, naquela que é uma das maiores ganhadoras na pandemia.
Comentários