Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira alerta para a gravidade do problema das substâncias psicoativas na região

Nos últimos onze anos apareceram em Portugal 102 novas substâncias psicoativas (NSP), entre as localidades de novos surgimentos constam a Madeira e os Açores. As ilhas são as regiões do país onde o problema dos consumos de novas drogas é maior, a seguir a Lisboa e Porto.

O Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira mostrou-se preocupado com a gravidade da disseminação das novas drogas na sociedade madeirense.

Na “Jornada de “Reflexão sobre Novas Substâncias Psicoativas (NSP) na Região Autónoma da Madeira – Conhecer, intervir, prevenir, enfrentar”, da Polícia Judiciária na Madeira, que decorreu na passada sexta-feira, 15 de outubro, José Manuel Rodrigues referiu que “a pandemia potenciou os consumos de estupefacientes e a verdade é que, na Madeira o consumo destas novas drogas cresceu, grandemente, seja como droga de substituição seja como primeira droga, experimentada por novos consumidores”.

José Manuel Rodrigues destacou que as estimativas para a Região referem que “o consumo destas novas substâncias psicoativas é quatro vezes superior ao registado no país”.

“Há um número que exemplifica a gravidade do problema: até setembro deste ano, 40% das admissões na Unidade de Agudos da Casa de Saúde São João de Deus foram de doentes com patologias relacionados com o consumo de drogas”, revelou o Presidente do Parlamento madeirense.

“Dessa percentagem, equivalente a 155 pessoas, a maioria jovens, a quase totalidade era consumidora das novas substâncias psicoativas e muitos foram internados compulsivamente, uma tendência que tem vindo a crescer de forma acentuada”, referiu.

José Manuel Rodrigues enfatizou a necessidade de “melhorar o enquadramento legislativo no sentido de garantir que qualquer nova substância perigosa que entre no mercado e que seja alvo de criminalização, na União Europeia, seja proibida no nosso país, em tempo útil, bem como é decisivo dotar as polícias dos mecanismos técnicos de análises, testes, e de investigação para agir, rapidamente, perante o aparecimento de novas drogas”.

Acrescentou ainda que “a Madeira enfrenta uma emergência social, e não deve temer o reconhecimento deste facto, pois esse é o primeiro passo para conhecer e enfrentar o problema e reduzir o seu impacto em toda a nossa sociedade, já que este atinge desde o consumidor jovem às famílias, às escolas, aos serviços de saúde e à segurança pública”.

Nos últimos onze anos apareceram em Portugal 102 novas substâncias psicoativas (NSP), entre as localidades de novos surgimentos constam a Madeira e os Açores. As ilhas são as regiões do país onde o problema dos consumos de novas drogas é maior, a seguir a Lisboa e Porto.

Neste momento 834 substâncias psicoativas estão a ser seguidas pelo Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência.

Recomendadas

Madeira: Câmara da Ponta do Sol aprova Orçamento para 2022 de 7,5 milhões de euros

Após ser aprovado com maioria em reunião de Câmara, com votos favoráveis do PS e abstenção do PSD, o documento segue agora para votação na Assembleia Municipal, a realizar- se no dia 9 de dezembro. 

Idade da reforma poderá baixar para 66 anos em 2024

Aumento da mortalidade provocado pela pandemia de Covid-19 está a reduzir a esperança média de vida em Portugal, pelo que a idade média da reforma vai baixar para 66 anos e quatro meses em 2023. No ano seguinte, em 2024, deverá baixar ainda mais, para 66 anos, interrompendo uma trajetória de subida que se verificava desde 2014.

Madeira recebe segunda Conferência da Macaronésia dedicada ao tema da transição ecológica e digital

Os temas discutidos em quatro painéis contam com a participação de membros dos governos e de organizações das quatro regiões da Macaronésia.
Comentários