Presidente da Guatemala impedido de entrar na Venezuela

O democrata e recém-eleito presidente da Guatemala, Alejandro Giammattei, deveria encontrar-se com o líder da oposição, Juan Guaidó.

O presidente da Guatemala, Alejandro Giammattei afirmou que a sua entrada na Venezuela foi negada este sábado, onde deveria ter-se encontrado com o líder da oposição Juan Guaidó, conta a agência “Reuters”.

Alejandro Giammattei, um conservador que conquistou a presidência do país da América Central em agosto, aterrou no aeroporto internacional Simon Bolivar, perto da capital Caracas, mas “as autoridades do regime estão a impedir a sua entrada”, informou um porta-voz de Juan Guaidó.

Juan Guaidó, que lidera a Assembleia Nacional controlada pela oposição da Venezuela, foi reconhecido como líder legítimo do país por dezenas de outras nações em janeiro, depois de invocar a constituição para assumir a presidência interina, argumentando que a releição do presidente Nicólas Maduro em 2018 era ilegítima.

“Esta é uma mensagem para o presidente Guaidó: estamos consigo. Mesmo que eles não nos deixem entrar, faremos a nossa voz ser ouvida hoje em todo o continente ”, afirmou Alejandro Giammattei num vídeo filmado dentro avião e colocado por Juan Guaidó na sua conta da rede social Twitter.

Mais tarde, Alejandro Giammattei twittou que havia desembarcado no Panamá sem incidentes. A oposição venezuelana acusou também o governo de Nicolás Maduro de convidar narcotraficantes a visitarem o país.

Recomendadas

Londres destrói um milhão de moedas comemorativas do Brexit

As moedas cunhadas para marcar o divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia, que estava agendado para 31 de outubro, estão a ser derretidas porque Boris Johnson falhou o prazo. O custo da produção e destruição das moedas será suportado pelos contribuintes britânicos.

“Incorreto e inapropriado”. Assessor da Casa Branca critica telefonema de Trump ao homólogo ucraniano

Alexander Vindman, especialista sobre a Ucrânia do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, disse hoje que ficou “preocupado” enquanto tirava notas do telefonema entre Donald Trump e Zelensky, em 25 de julho – a chamada que está no centro do inquérito para a destituição do Presidente dos EUA, em que Trump é acusado de ter tentando pressionar o homólogo ucraniano a investigar Joe Biden, rival político do líder norte-americano.

E se o Ártico ficasse sem gelo? Pode acontecer em 2044

Tendo como base diversos fenómenos e os acontecimentos atuais, algumas previsões apontam que o mês de setembro em 2026 já não vai conseguir ter gelo, enquanto outras previsões apontam que o degelo total só deverá acontecer em 2132, a muitos anos de distância.
Comentários