Presidente de Cabo Verde recebeu CEO da Cabo Verde Airlines

O governo cabo-verdiano e a Loftleidir Cabo Verde assinaram, sexta-feira, o acordo, sendo que o valor a ser pago por aquela subsidiária da Loftleidir Incelandic pelos 51% do capital da TACV é de 1,3 milhões de euros.

O novo CEO da Cabo Verde Airlines, Jens Bjarneson,  foi recebido, esta manhã, pelo Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca.

Para Jens Bjarneson, que passa a ocupar o lugar do português Mário Chaves, a privatização da Cabo Verde Airlines é positiva para ambas as partes por criar uma situação win-win para ambas as partes e que o hub no Sal pode ser um exemplo para toda a costa ocidental africana.

“Penso que, como em qualquer negociação, há uma situação win-win para as partes envolvidas. Penso que para Cabo Verde há a possibilidade de construir um hub internacional que pode ser um modelo para toda a África Ocidental e que ligue quatro continentes. Vemos um grande potencial de crescimento”, disse à saída do encontro com Jorge Carlos Fonseca.

O CEO da Cabo Verde Airlines repetiu o que foi anunciado na assinatura do acordo, na última sexta feira, em relação a renovação da frota da companhia aérea cabo-verdiana de que até 2025 estão previstos 12 aviões, mas Jens Bjarneson diz que o crescimento da frota “pode ir para além disso”.

“Da nossa parte, gostaríamos de aumentar a nossa presença no mercado internacional da aviação. Temos sido bem-sucedidos no incremento do turismo num país pequeno, de 300 mil habitantes, através da ligação da Europa Ocidental com a América do Norte. Vemos muitas semelhanças com Cabo Verde, que é uma pérola recentemente descoberta pelo turismo e penso que o estabelecimento do hub vai caminhar de mãos dadas com as infraestruturas de turismo que já existem”.

Quanto à frota de aviões a colocar ao serviço da Cabo Verde Airlines, Jens Bjarneson, afirmou que de ” em princípio serão os Boeing 757 que têm  as dimensões como o alcance ideais para as  operações que estão previstas.

Questionado sobre a implementação do hub no Sal, o novo responsável máximo da Cabo Verde Airlines defende que para se começara sentir os resultados “é preciso primeiro ter, pelo menos, quatro aviões, para se ver a conectividade a acontecer, uma vez que quantos mais aviões mais possibilidade de crescimento a companhia terá e  maior oportunidade para os cabo-verdianos viajarem para outras cidades em todo o mundo.

A semelhança entre a Islândia e Cabo Verde  foi  referida como uma vantagem para o sucesso do acordo rubricado, segundo Jens Bjarneson.

“Penso que os contextos são muito similares, é um mercado interno pequeno, com poucas pessoas. Acho que há um grande potencial para trazer o turismo para Cabo Verde, tal como havia na Islândia. E a localização é vital. Estando situado no oceano onde podem ligar diferentes continentes através de um hub. Por isso, digo que as semelhanças são muitas”.

Em relação a ligação inter-ilhas, o CEO da Cabo Verde Airlines refere que  é preciso ter boa conectividade entre as ilhas e este é um dos muitos assuntos que os responsáveis da companhia estão a  tratar.

O governo cabo-verdiano e a Loftleidir Cabo Verde assinaram na sexta-feira o acordo,  sendo que o valor a ser pago por aquela subsidiária da Loftleidir Incelandic pelos 51% do capital da TACV é de 1,3 milhões de euros.

Ler mais
Recomendadas

Comissão parlamentar cabo-verdiana visita imigrantes

A realização de encontros personalizados com imigrantes nos sítios onde trabalham marca o segundo dia da visita da Comissão Especializada Permanente da Assembleia Nacional à ilha do Fogo.

“Estou convencido de que Cabo Verde está preparado para uma Lei de Paridade”

Segundo o primeiro-ministro, a aprovação da proposta de lei no Parlamento, cuja meta é para a ‘luz verde’ é 2019, vai garantir o princípio de paridade nos órgãos colegiais eleitos para o sistema político cabo-verdiano.

Projeto de renováveis em Monte Trigo reforçado com 77 mil euros

Esta é a primeira aldeia de Cabo Verde abastecida a 100% com energia renovável.
Comentários