Presidente da República volta a afastar dissolução do Parlamento

“A faca e o queijo estão na mão do Presidente. Mas crise que envolva a dissolução não haverá. Depende do Presidente da República, não depende de mais ninguém”, afirmou hoje Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República voltou hoje a afastar uma crise política e rejeita a possibilidade de uma dissolução do Parlamento, numa altura em que arrancaram as negociações para o Orçamento do Estado para 2021.

“Não haverá dissolução da Assembleia da República”, disse este domingo Marcelo Rebelo de Sousa, depois de ter feito o mesmo aviso a 27 de agosto.

“A faca e o queijo estão na mão do Presidente. O Presidente ouve com atenção o que várias pessoas dizem se há crise ou se não há crise. Mas crise que envolva a dissolução não haverá. Depende do Presidente da República, não depende de mais ninguém”, afirmou em declarações aos jornalistas durante uma visita a Monchique, distrito de Faro.

Marcelo também diz que se recusa a fazer “antecipações sobre dissoluções a fazer sobre quem vier a ser eleito em janeiro”, isto é, o que pensará o Presidente da República que sair das eleições presidenciais de janeiro de 2021.

“Não contem que o Presidente comece a especular: ‘agora não [crise política], mas lá para maio ou junho do ano que vem’. Isso é uma decisão do Presidente que for eleito em janeiro tomará. O bom senso impõe que não esteja a anunciar uma crise a oito meses de distância, isso é uma coisa que não existe”, declarou.

 

Marcelo ataca Graça Freitas e a DGS: “Não se conhecem as regras do Avante a cinco dias da festa”

Relacionadas

Marcelo ataca Graça Freitas e a DGS: “Não se conhecem as regras do Avante a cinco dias da festa”

O Presidente da República deixou fortes críticas à atuação da Direção-Geral da Saúde e da sua diretora em relação à festa organizada pelo PCP. Marcelo diz estar preocupado com a situação e lamenta que, apesar dos avisos feitos por si há três semanas, DGS e PCP tenham decidido não revelar quais as “regras do jogo”.
Marcelo Rebelo de Sousa à saída do Infarmed

Marcelo diz que é prematuro anunciar recandidatura

Marcelo diz que vai seguir a norma dos ex-presidentes que só anunciaram em outubro a sua recandidatura, quando tinham eleições em janeiro. O Presidente considera que iria perder autoridade com um anúncio prematuro.

António Costa acredita que se Marcelo não se recandidatasse a Presidente da República “havia um problema grave”

Esta opinião foi transmitida por António Costa em entrevista ao semanário Expresso, em que também adianta que, por exercer as funções de primeiro-ministro, adotará uma atitude de “recato” nas próximas eleições presidenciais.

Marcelo Rebelo de Sousa: “Uma crise política ou ameaça é ficção”

Os partidos começam esta sexta-feira a negociar com o Governo o Orçamento do Estado. O Presidente da República diz que “todos são obrigados a pensar no interesse nacional”.
Recomendadas
Francisco Camacho

Juventude Popular promete estar “completamente solta e completamente livre” no congresso do CDS-PP

Francisco Camacho prometeu que a organização que lidera estará “unida na sua diversidade e pluralidade” no congresso de Lamego em que Francisco Rodrigues dos Santos e Nuno Melo vão disputar a presidência do CDS-PP.
Inês de Sousa Real

PAN abstém-se na votação da generalidade do OE2022

O partido liderado por Inês Sousa Real segue assim o voto das deputadas não inscritas Cristina Rodrigues e Joacine Katar Moreira.

Bloco de Esquerda acusa Governo de “não mostrar vontade de negociar”

“Do ponto de vista negocial, é estranho que o Governo peça isso, porque o Governo sabe há muito tempo que estas são as nove propostas que o BE levou a negociação”, disse Pedro Filipe Soares à rádio TSF.
Comentários