Presidente de Cabo Verde diz que expropriações na Boavista devem ser resolvidas “a curto prazo”

Em Povoação Velha, a estrada que dá acesso àquela localidade está condicionada, devido a reivindicações de proprietários privados de terrenos por onde passa a via.

O Presidente da República de Cabo Verde afirma que é “legítimo e justo” resolver “a curto prazo” o problema de expropriação de terreno na ilha da Boa Vista e que vai exercer sua influência para encontrar solução para este impasse.

Jorge Carlos Fonseca fez esta abordagem, no segundo dia de visita à ilha, referindo-se aos problemas dos “terrenos expropriados ou suspeitáveis de expropriação”, em que as pessoas exigem as indemnizações que aguardam, ou de montantes que consideram baixas.

Em Povoação Velha, inteirou-se do andamento dos trabalhos da estrada que dá acesso àquela localidade e que se encontra condicionada devido a reivindicações de proprietários privados de terrenos por onde passa a via, que exigem a resolução deste impasse antes de se concluir a obra.

“É uma situação que tem que ser resolvida num prazo curto, porque isto condiciona todo o processo de desenvolvimento turístico de Boa Vista, tendo em conta que o turismo é decisivo e crucial para crescimento da ilha”, afirmou o Presidente cabo-verdiano, aquando de uma reunião com a direção da Sociedade de Desenvolvimento de Boa Vista e Maio (SDTBM).

De visita a Rabil, Jorge Carlos Fonseca foi também abordado por pessoas que pedem indemnizações de terrenos expropriados, para se alargar o Aeroporto Internacional Aristides Pereira. “São informações justas e legitimas das pessoas que são titulares de um direito fundamental, que é o de propriedade”, reiterou, afirmando que na qualidade de Presidente da República “vai levar estas preocupações ao Governo” para que ver “rapidamente se resolve este problema”.

O chefe de Estado cabo-verdiano relembrou que estes problemas “já durão algum tempo” e que já houve reuniões dos proprietários com o Governo, na pessoa do vice-primeiro, Olavo Correia, que terá tinha prometido resolver estas questões “a curto prazo”.

Jorge Carlos Fonseca voltou a frisar que “no futuro deve-se ter atenção à expropriação de terrenos”, pois, ajuntou, com a expansão do aeroporto poderá surgir novos casos deste género de conflitos com titulares de propriedades. Por isso, considerou ser necessário “dialogar, estudar, resolver estes problemas e satisfazer os interesses legítimos dos proprietários”, para alargar o aeroporto que também é do interesse de “todos os boa-vistenses”.

Ler mais
Recomendadas

Empresários russos interessados em investir nas pescas em Cabo Verde

“Ficaram de fazer uma visita a Cabo Verde antes do final do ano para recolherem dados mais precisos e assim poderem preparar o seu projecto definitivo”, disse o ministro do Turismo e da Economia Marítima cabo-verdiano.

Presidente promulga com “dúvidas” venda de banco da Caixa em Cabo Verde

A CGD está a vender o Banco Comercial do Atlântico, um dos dois detidos pelo grupo bancário público em Cabo Verde, mantendo a sua participação no banco Interatlântico.

Ilha do Fogo vai acolher 10ª reunião do Conselho de Ministros do Turismo da CPLP

“Cabo Verde tem feito o gesto de abrir cada vez mais a nossa fronteira com a isenção de vistos, mas ainda estamos longe de ter este nível de correspondência dos demais países”, diz o ministro do Turismo cabo-verdiano.
Comentários