Presidente polaco é o mais votado mas não evita segunda volta eleitoral, segundo sondagem

A confirmar-se o resultado, a segunda volta vai ter lugar no dia 12 de julho. A comissão eleitoral da Polónia já referiu que os resultados definitivos da eleição de hoje serão publicados até ao serão de quarta-feira.

Polónia

O presidente da Polónia, Andrzej Duda, conquistou a maior percentagem de votos nas eleições presidenciais de hoje, mas deverá ter de enfrentar o autarca de Varsóvia, Rafal Trzaskowski, numa segunda volta, segundo uma sondagem à boca das urnas.

Segundo a projeção da empresa de sondagens Ipsos, Duda obteve 41,8% dos votos, enquanto Trzaskowski recebeu 30,4%, tendo uma margem de erro de dois pontos percentuais.

A confirmar-se o resultado, a segunda volta vai ter lugar no dia 12 de julho.

A comissão eleitoral da Polónia já referiu que os resultados definitivos da eleição de hoje serão publicados até ao serão de quarta-feira.

Uma nova vitória de Duda, para um segundo mandato de cinco anos, determinará se o partido Lei e Justiça (PiS, na sigla em polaco) mantém o seu quase monopólio sobre o poder político no país.

Sondagens realizadas na semana passada indicaram que Duda poderá ter mais dificuldades numa segunda volta, já que muitos eleitores da oposição deverão unir-se contra si.

O terceiro candidato mais votado, segundo a mesma sondagem à boca das urnas, foi Szymon Holownia, um jornalista e apresentador televisivo. Holownia terá obtido 13,3% dos votos, sem qualquer afiliação partidária.

A maioria dos seus apoiantes manifestou-se a favor de Trzaskowski numa eventual segunda volta.

Em quarto lugar ficou o candidato da extrema-direita, Krzysztof Bosak, com 7,4%.

Na campanha para estas presidenciais, inicialmente previstas para 10 de maio e que foram adiadas devido a dúvidas constitucionais, Duda procurou mobilizar a base conservadora do PiS contra o programa do candidato centrista, que retrata como uma ameaça aos valores tradicionais polacos.

Ler mais
Recomendadas

Brasil deverá ultrapassar marca dos 100 mil mortos este fim de semana

Segundo as estimativas do consórcio de jornalistas brasileiro, demorou cerca de três meses até serem contabilizadas as primeiras 50 mil mortes e apenas 50 dias para que esse valor se voltasse a repetir.

Explosões em Beirute. Perto de 160 mortos e mais de 6 mil feridos

O ministério reviu em baixa o número de pessoas desaparecidas, indicando existirem 21, quando até agora tinha referido várias dezenas.

Mais de 60 pessoas continuam desaparecidas após a explosão em Beirute

Passaram quatro dias desde a explosão no porto de Beirute, no Líbano, que devastou a cidade e matou mais de 150 pessoas.
Comentários