Prestação da casa paga ao banco desce em dezembro

A prestação paga ao banco pelos clientes com crédito à habitação indexado à Euribor a seis meses desceu novamente em dezembro, face à última revisão, segundo a simulação da Deco/Dinheiro&Direitos para a Lusa.

No caso de um cliente com um empréstimo no valor de 150 mil euros a 30 anos, indexado à Euribor a seis meses com um ‘spread’ (margem de lucro do banco) de 1%, este pagará a partir deste mês de dezembro 459,59 euros, o que significa menos 6,71 euros face à última revisão da prestação, em junho.

Mas há um crescimento do valor a pagar, ainda que reduzido, no caso de um empréstimo nas mesmas condições mas indexado à Euribor a três meses.

Neste caso, num crédito nas mesmas condições, o cliente passará a pagar 455,33 euros, mais 47 cêntimos do que o pago desde setembro.

As taxas Euribor são o principal indexante em Portugal nos contratos bancários que financiam a compra de casa. A Euribor a seis meses é a mais usada, seguida da taxa a três meses.

As taxas de juro continuam em terreno negativo. Em novembro, a média da taxa Euribor a seis meses foi de -0,337%, um novo mínimo histórico, e a média da taxa a três meses de -0,401%.

Recomendadas

Meses de Verão vão “mitigar os prejuízos” dos sector das viagens, mas recuperação vai demorar, alertam agências de viagens

Segundo o vice-presidente da ssociação de Sócios Gerentes das Agências de Viagens e Turismo “o Algarve continuará a ser a região de eleição e os turistas britânicos vão ter muito peso no aumento do turismo no país”.

Passageiros nos voos da TAP entre Portugal e o Reino Unido mais que duplicam

Em comunicado a TAP aponta que “a entrada de Portugal na “green list” de destinos de Inglaterra teve um impacto positivo na procura de voos entre o Reino Unido e Portugal.

Venda das barragens da EDP: Movimento exige a Finanças “arquivamento imediato” de inquérito a funcionário da AT

O Movimento Cultural da Terra de Miranda (MCTM) diz “não haver razões” que justifiquem “processo de inquérito” a membro do Movimento, ex-dirigente da AT, devido a nota jurídica sobre o impacto fiscal da venda das barragens da EDP no Rio Douro à Engie. Exige um pedido de desculpas ao MCTM e dá conta que documento foi elaborado  a pedido do Ministro do Ambiente, numa reunião que realizou com este Movimento, em 2 de setembro de 2020.
Comentários