PremiumPrimeiras-ministras: Pioneira portuguesa sem seguidoras por cá e com poucas lá fora

Maria de Lourdes Pintasilgo tomou posse há 40 anos, poucos meses após Margaret Thatcher tornar-se a primeira mulher a liderar um governo num país europeu. Nunca mais houve uma primeira-ministra em Portugal, e casos de sucesso comoAngela Merkel não escondem que uma dúzia de países da UniãoEuropeia nunca foram governados por uma mulher.

Um pequeno despacho de um homem permitiu um grande salto para a igualdade. Na próxima quarta-feira faz 40 anos que Ramalho Eanes nomeou Maria de Lourdes Pintasilgo primeira-ministra de Portugal – mais precisamente, como se pode consultar no Diário da República, “primeiro-ministro” -, incumbindo-a de formar o terceiro e último governo de iniciativa presidencial que antecedeu a conquista do poder pela Aliança Democrática de Francisco Sá Carneiro e Diogo Freitas do Amaral nas eleições intercalares de 2 de dezembro de 1979.

A engenheira química tinha então 49 anos, a experiência de ter sido ministra dos Assuntos Sociais no segundo e terceiro governos provisórios e uma aura de católica de esquerda, tendo formado um executivo com figuras como Sousa Franco, Loureiro dos Santos e Costa Brás, que governou apenas 186 dias e teve uma produção legislativa tão impressionante quanto consecutivamente revogada pelos governos de centro-direita que se lhe seguiriam. Um Portugal mais conservador do que os ventos revolucionários deixavam adivinhar tornou-se então o segundo país europeu a ter uma primeira-ministra, com Eanes a seguir o exemplo do eleitorado do Reino Unido – habituado desde há décadas a ter Isabel II na chefia de Estado -, que entregara três meses antes as chaves do número 10 de Downing Street a Margaret Thatcher, de 53 anos, líder do Partido Conservador desde 1975.

Artigo reservado a assinantes do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Artigo publicado na edição nº1999 de 26 de julho de 2019, do Jornal Económico.

Recomendadas

PremiumJNCQUOI Ásia – Entre especiarias, dragões e descobridores

O novo restaurante e bar celebra a extensão do conceito de lifestyle JNcQUOI numa vertente asiática com inspiração portuguesa, tendo como pano de fundo os Descobrimentos portugueses e a sua influência na gastronomia asiática.

PremiumA vida das cartas e encomendas até chegarem às suas mãos

Em julho deste ano, o correio ainda representava 68% dos rendimentos dos CTT. Cabo Ruivo é um dos principais centros de comando desta unidade de negócio. Por ali passam diariamente mais de dois milhões de objetos, trabalham 580 colaboradores e acolhe 100 veículos que percorrem 13 mil quilómetros.

O mérito não tem género. 15 mulheres líderes

Altamente competentes devido aos sólidos conhecimentos técnicos que possuem, abraçaram vários desafios com êxito ao longo carreira, que as moldaram para hoje serem líderes destacadas em vários setores da sociedade.
Comentários