Primeiro debate quinzenal no Parlamento coloca políticas de rendimento na agenda

A subida do salário mínimo nacional será um dos temas em destaque na agenda. António Costa já esteve reunido com os parceiros sociais e avançou com uma proposta que visa aumentar gradualmente o salário mínimo nacional até atingir os 750 euros em 2023.

As políticas de rendimento são o tema escolhido pelo primeiro-ministro, António Costa, para o primeiro debate quinzenal desta legislatura na Assembleia da República. As políticas de rendimento são uma das prioridades do Governo, que já anunciou a intenção de aumentar gradualmente o salário mínimo nacional até atingir os 750 euros em 2023.

O arranque do debate quinzenal está marcado para as 15h00 e está previsto que os deputados únicos do Chega, Iniciativa Liberal e Livre possam intervir durante um minuto e meio para questionar António Costa.

A subida do salário mínimo nacional será um dos temas em destaque na agenda. António Costa já esteve reunido com os parceiros sociais e avançou com uma proposta, em sede de concertação social, que visa servir de referencial para a negociação coletiva em matéria de valorização dos vencimentos dos jovens qualificados. É esperado que a discussão em torno do aumento do salário mínimo para o próximo ano fique fechada ainda esta semana.

“Sabemos bem que a competência para aumentar o salário mínimo nacional é do Governo e que não precisamos de acordo nenhum. Mas, numa sociedade democrática avançada, um Governo deve promover o diálogo e deve saber ouvir antes de decidir. Devemos ouvir os parceiros sociais, não apenas as confederações patronais, mas também os sindicatos”, diz o primeiro-ministro.

António Costa defende ainda um acordo de política de rendimentos para fazer subir os salários dos jovens mais qualificados e para um aumento global do nível salarial em Portugal.

Recomendadas

OE2022: BE vai enviar ao Governo propostas de articulado de nove pontos negociais

Esta posição sobre as negociações do Orçamento do Estado para 2022 consta de uma nota divulgada pela assessoria de imprensa do BE.
Carlos Moedas

Carlos Moedas afasta ser novo símbolo do PSD: “A minha energia e a minha missão estão em Lisboa”

Numa entrevista o jornal espanhol “ABC”, o novo presidente da Câmara de Lisboa, que amanhã toma posse, afirma-se como “o símbolo de uma nova forma de fazer política” e rejeita uma candidatura à liderança do PSD.

Líder do PCP diz que problemas do país não se resolvem com dramatizações

Num discurso de quase 30 minutos perante centenas de apoiantes no auditório da Escola Secundária Carolina Michaelis, no Porto, Jerónimo de Sousa centrou-se na negociação com o Governo para a aprovação do Orçamento do Estado (OE) 2022, deixando reparos.
Comentários