Primeiro-ministro cabo-verdiano diz que 33% do Fundo do Turismo são para a Boa Vista

“No quadro do desenvolvimento sustentável está previsto um aumento da penetração das energias renováveis na Boa Vista. Atualmente, estamos com 22%, e em 2020 estaremos em 33% com o parque solar de Ervatão que arrancará brevemente”, anunciou Ulisses Correia e Silva.

“Boa Vista afeta 33% do Fundo do Turismo, sendo a segunda ilha, depois do Sal que mais contribui para o fundo, e a segunda a receber investimentos que melhoram a qualidade do destino turístico”, afirmou o primeiro-ministro de Cabo Verde.

Ulisses Correia e Silva fez estas declarações, explicando que “o investimento destes recursos está sob o princípio de onde há maior arrecadação de receitas provenientes do Fundo do Turismo, é onde se faz a aplicação maior, para se poder compensar devidamente aquilo que é contribuição para melhores condições turísticas”.

O chefe do governo cabo-verdiano falou dos investimentos, da requalificação, urbanização e infraestrutura da zona da barraca, hoje conhecida por bairro da Boa Esperança, defendendo que estes fenómenos devem ser evitados porque ao se multiplicarem criam vários problemas sobretudo de humidade, e de qualidade de vida das pessoas.

“No quadro do desenvolvimento sustentável está previsto um aumento da penetração das energias renováveis na Boa Vista. Atualmente, estamos com 22%, e em 2020 estaremos em 33% com o parque solar de Ervatão que arrancará brevemente”, anunciou Ulisses Correia e Silva.

Para o governante, este desenvolvimento passa pela “oferta de formação profissional e empreendedorismo, assim como, acrescentou, há que haver certificação de produtos agroalimentares para que possam penetrar no mercado turístico.

“O projeto cidade segura à semelhança do que foi desenvolvido na cidade da Praia vai avançar, e os trabalhos de georreferenciação para identificar os pontos para colocar vídeo vigilância serão colocados na próxima semana”, comunicou o primeiro-ministro Ulisses Correia, prometendo que “a delegação da Polícia Judiciária na ilha será uma realidade ainda este ano”.

A mesma fonte acrescentou ainda que “chegará à ilha da Boa Vista mais enfermeiros até o final do mês, o regime de emergência médica 24 horas a partir de Dezembro, a conclusão do bloco operatório também para o próximo ano, a colocação de uma equipa de ginecologia, obstetrícia e anestesia, e ainda a operacionalização do serviço de imagiologia e laboratório”.

Enquanto na educação, continuou, “haverá investimentos, com a ampliação da escola de Sal Rei com mais de 180 mil contos investidos, e da escola do Rabil em curso, assim como da escola central, com mais cinco salas”.

Segundo o primeiro-ministro de Cabo Verde, prevê-se ainda “para 2020/2021 continuar a ampliação da escola de Rabil em 20 mil contos, construção do complexo da Boa Esperança com 16 salas no valor de 90 mil contos para o período 2020/2021”.

Ulisses Correia e Silva afirmou ainda que “o governo está a trabalhar para criar condições para que o desenvolvimento sustentável da ilha passe pela dinamização da economia local, através da integração das micro, pequenas e médias empresas na cadeia de valor no turismo”. Além disso, considera que “o centro da cidade de Sal Rei precisa de novas centralidades, com requalificações das frentes marítimas para criar ofertas descentralizadas de serviços, restauração, comércio, entretenimento e lazer, e trazer a atividade económica”.

Ler mais
Recomendadas

Cabo Verde autoriza 4,2 milhões de euros em créditos e paga a 12 mil trabalhadores em ‘lay-off’

O ministro cabo-verdiano Olavo Correia reconheceu que o Governo tem de acelerar as medidas em termos de execução, esperando contar com o sistema bancário para apoiar as empresas que reúnem as condições.

Proteção Civil de Cabo Verde alerta para necessidade de teste antes de viagens 

No caso de Santiago, com o maior número de casos da doença e em estado de calamidade, estão proibidas as ligações marítimas de passageiros de e para a ilha.

Cabo Verde: Autarca da Praia reivindica estatuto especial para a cidade

“Já foi aprovada a Zona Económica Especial para São Vicente. Tudo bem, convém que o desenvolvimento seja equilibrado em todas as ilhas, é muito importante, mas a Cidade da Praia é diferente de todas por ser capital”, disse Óscar Santos.
Comentários