Governo russo demite-se após discurso de Putin

O Presidente da Rússia aceitou o pedido de Medvedev, mas terá pedido que o atual governo se mantenha em funções até à formação de um novo executivo.

Reuters

O primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, anunciou esta quarta-feira a demissão na televisão do Estado, ao lado de Vladmir Putin, justificando com a necessidade de dar espaço ao Presidente para poder alterar a Constituição, noticia a Reuters.

“Nós, como Governo da Federação russa, devemos dar ao Presidente os meios para tomar todas as medidas necessárias. Por isso, (…) o Governo no seu todo renuncia”, disse Medvedev, segundo a agência Tass.

O Presidente da Rússia aceitou o pedido de Medvedev, mas terá pedido que o atual governo se mantenha em funções até à formação de um novo executivo. O anúncio de demissão do governo russo ocorreu após o discurso de Vladmir Putin de que propôs uma votação sobre alterações na Constituição de forma a permitir transferir o poder da Presidência para o Parlamento e para o Primeiro-ministro.

“Considero necessário submeter ao voto dos cidadãos do país o conjunto das revisões da Constituição propostas”, disse Vladimir Putin no discurso anual ao parlamento e às elites políticas, sem adiantar quaisquer datas.

Putin sugeriu como uma das emendas à Constituição que os deputados passem a nomear o primeiro-ministro e os membros do executivo, direito que pertence agora ao chefe de Estado.

Entre as propostas de alterações estão ainda o reforço dos poderes dos governadores regionais, a proibição dos membros do governo e dos juízes de obterem residência no estrangeiro e a obrigação de os candidatos à Presidência terem vivido nos últimos 25 anos na Rússia.

Os analistas olham para esta proposta presidencial como um esforço de Putin para conquistar uma nova posição de poder, permitindo-lhe permanecer no comando do Estado após o seu mandato atual, que termina em 2024.

Entre os candidatos a sucessor de Dmitri Medvedev, que também foi presidente da Rússia entre 2008 e 2012, estão Sergei Sobyanin, presidente da Câmara de Moscovo,  Dmitry Oreshkin, ministro da Economia e Alexander Novak, ministro da Energia.

Medvedev deverá assumir posteriormente o cargo de vice-director do Conselho de Segurança da Rússia.

[Atualizado às 14h22] 

Ler mais
Recomendadas

Moody’s alerta para as consequências económicas negativas do coronavírus

A agência norte-americana compara mesmo o coronavírus com o da epidemia da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) que matou 774 pessoas em todo o mundo em 2003

Santander lucra 6,5 mil milhões em 2019, menos 17% que em 2018

O banco espanhol apresentou resultados a caírem por causa dos custos extraordinários com a operação que tem no Reino Unido. Mas em Espanha os lucros subiram. O Santander Totta, em Portugal, contribuiu com 525 milhões de euros para o resultado líquido.

Nigel Farage: “O Brexit é apenas o início de uma reconfiguração na Europa”

O antigo presidente do UKIP e cofundador do Partido Brexit considera que a saída do Reino Unido da União Europeia é resultado de um exercício democrático. “Não há volta a dar. Isto é uma vitória”, afirmou esta quarta-feira em conferência de imprensa em Bruxelas.
Comentários