Primo do secretário de Estado do Ambiente demitiu-se após nomeação. Matos Fernandes desconhecia relação familiar

Armindo dos Santos Alves, tinha sido nomeado pelo secretário de Estado do Ambiente como adjunto em setembro de 2016, conforme indica o despacho publicado em “Diário da República”.

Armindo dos Santos Alves, primo do secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, demitiu-se esta quarta-feira, naquela que é a primeira ‘baixa’ no executivo governamental fruto das polémicas relacionadas com as ligações familiares no Governo liderado por António Costa. O jornal online “Observador” revela que fonte oficial do Ministério garantiu que “o ministro do Ambiente não sabia da existência desta relação familiar” e que, após análise da situação, “o adjunto Armindo Alves apresentou hoje a sua demissão”.

Armindo dos Santos Alves, tinha sido nomeado pelo secretário de Estado do Ambiente como adjunto em setembro de 2016, conforme indica o despacho publicado em “Diário da República”.

As relações familiares no Governo de António Costa ganharam maior dimensão na última semana altura em que este jornal online noticiou que as relações familiares no Governo envolvem um total de 50 pessoas e 20 famílias, e ainda um ex-casal.

No último sábado numa entrevista à rádio “TSF” e ao “Dinheiro Vivo”, o primeiro-ministro, António Costa, desvalorizou as contas feitas ao número de socialistas com relações familiares no Governo, referindo que, por si só, não existia qualquer motivo para deixar de nomear.

“Não posso aceitar esse critério de que alguém, só porque é familiar mais próximo ou remoto de um membro do Governo ou militante do PS, não possa garantir o exercício de uma função num gabinete”, afirmou António Costa.

Relacionadas

Costa responde a Cavaco: “Nenhum dos membros do meu Governo sairá para formar um banco que depois vá à falência”

Cavaco Silva afirmou que os vários casos de relações familiares no atual Governo que não têm “comparação em nenhum outro país democrático desenvolvido”. Costa respondeu, aludindo a Oliveira e Costa, antigo governante de um executivo de Cavaco Silva que passou a presidente do BPN em 1998., considerando esse tipo de interesses mais graves do que relações familiares.

Relações familiares no Governo de António Costa envolvem 50 pessoas e 20 famílias

Uma contagem anterior apontava que existiam 27 pessoas e 12 famílias no poder, mas nos últimos dias vieram a público mais nomes, catapultando o número para 50 pessoas e 20 famílias, mais um ex-casal.

Marcelo não quer familiares no Governo: “Não me apareçam com mais nomes”

Marcelo Rebelo de Sousa admite que é preciso saber afastar a família do poder e que “família de Presidente não é Presidente”. O Presidente da República diz que é preciso impedir que as exceções se tornem regras.
Recomendadas

Eutanásia: PS diz que “está em causa despenalizar e não liberalizar a morte assistida”

A deputada socialista Isabel Moreira defende que cada pessoa deve ser “arquiteta livre do seu destino”, destacando que o que está em causa no debate sobre a morte assistida é despenalizar a eutanásia e não liberalizá-la.

Eutanásia: PAN defende que debate no parlamento é sobre “despenalização da liberdade”

O PAN – Pessoas-Animais-Natureza considera que o que está em causa no debate sobre a eutanásia é decidir manter ou não como crime punível com pena de prisão um “ato de bondade”.

Eutanásia: Bloco de Esquerda define lei como “passo democrático” e recusa “chantagens emocionais”

O deputado José Manuel Pureza apresentou esta quinta-feira o projeto de despenalização da morte medicamente assistida do Bloco de Esquerda (BE) como um “passo democrático” e recusou “manobras políticas oportunistas” ou “chantagens emocionais” nas decisões do parlamento.
Comentários