Produção de calçado em Portugal caiu 13,2% em 2020

“Em 2020, o painel de especialistas inquirido pela publicação (‘World Footwear Experts Panel’) apontava para uma quebra no consumo mundial de calçado superior a 20%”, notou a APICCAPS.

A produção de calçado em Portugal recuou 13,2% em 2020 para 66 milhões de pares, cerca de metade da descida verificada nos principais concorrentes – Itália e Espanha-, segundo dados hoje divulgados pela associação do setor.

“A nível da produção, Portugal registou uma quebra de 13,2% para 66 milhões de pares, cerca de metade da quebra registada por Itália (quebra de 26,8% para 131 milhões de pares) e de Espanha (- 26,5% para 72 milhões de pares)”, indicou, em comunicado, a Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS), citando dados do ‘World Footwear 2021 Yearbook’.

De acordo com a associação, Portugal mantém-se, entre os principais produtores, em segundo lugar no que se refere ao maior preço médio de exportação.

Por segmento, no caso do couro, Portugal aparece como o 9.º exportador mundial, com uma quota de 3,1%, enquanto no ‘waterproof’ está no 4.º lugar, com uma quota de 3,7%.

A nível mundial, a produção e as exportações cederam, respetivamente, 15,8% para quatro mil milhões de pares e 19% para 12.100 milhões de pares, no ano passado.

“Em 2020, o painel de especialistas inquirido pela publicação (‘World Footwear Experts Panel’) apontava para uma quebra no consumo mundial de calçado superior a 20%”, notou a APICCAPS.

O impacto da pandemia de covid-19 no setor foi assim “menor do que se esperava”.

A Ásia, onde são fabricados nove em cada 10 pares de calçado, destaca-se com um aumento de 0,2 pontos percentuais na participação na produção mundial.

A China permanece no pódio como o maior produtor mundial (54,3%), apesar de, em 2020, ter reduzido a produção em mais de 2.000 milhões de pares e ter perdido peso na “cena competitiva mundial”, o que se justifica pelo deslocamento da produção para países vizinhos.

Ao nível das exportações mundiais, verificou-se uma queda de 62% para 59%, com a Ásia a liderar.

Este decréscimo verificou-se em quase todos os continentes, com exceção da Europa, cuja participação nas exportações progrediu quatro pontos percentuais desde 2011.

Em 2020, apesar de a China voltar a ser líder das exportações de calçado, destaca-se o Vietname que superou, pela primeira vez, 10% das exportações mundiais em volume.

No total, o calçado exportado em 2020 retrocedeu 19%, face ao ano anterior, para 12.100 milhões de pares.

“A evolução do preço médio de exportação por par continua a apresentar uma tendência ascendente, crescendo a uma média de 3,3% ao ano desde 2011. Em 2020, apesar das tendências negativas, o crescimento dos preços acelerou 6%, com o preço médio a exceder, pela primeira vez, os 10 dólares”, revelou.

Por sua vez, no que concerne ao consumo, verificou-se, no ano passado, um “forte impacto” na América do Norte e na Europa.

Segundo o mesmo documento, o consumo ‘per capita’ de calçado varia entre 1,5 pares em África e 4,3 pares na América do Norte.

Neste período, o consumo da Ásia representou mais de metade (55,8%) do total mundial, enquanto a Europa e a América do Norte contabilizaram 13,6% e 13,1%, respetivamente.

A União Europeia, por seu turno, representa o quarto maior mercado consumidor de calçado com 1,763 milhões de pares consumidos em 2020.

Já os Estados Unidos apresentaram um consumo inferior a 10%, enquanto a China ultrapassou os 20%.

 

Recomendadas

PremiumRuben Eiras: “Solar e eólicas offshore serão mais competitivas que o nuclear em 2040”

A massificação da produção de hidrogénio não dependerá da eletricidade gerada pelo nuclear, admitiu o ex-diretor-geral da Política do Mar e secretário geral do Fórum Oceano ao Jornal Económico.

Crescimento da economia deverá ficar acima dos 4,5% em 2021

O novo cenário macroeconómico que acompanhará a proposta do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) também trará uma revisão em alta das perspetivas para o mercado de trabalho, já que as expectativas sobre a evolução do emprego e o desemprego são mais positivas do que o Governo antecipou quando apresentou o Programa de Estabilidade.

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

“O Estado não passa responsabilidades na educação, na saúde ou não ação social, sem transferir também para os municípios os recursos financeiros necessários para que possam exercer essas competências”, afirmou o líder socialista num comício da candidatura do PS naquele município liderado pelo empresário e engenheiro civil Manuel Machado, que se candidata pela terceira vez.
Comentários