Professora da Universidade de Lisboa preside ao Sindicato do Ensino Superior

Mariana Gaio Alves, professora auxiliar no Instituto de Educação, substitui Gonçalo Leite Velho na presidência do SNESup.

Mariana Gaio Alves preside à direção do Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup) durante os próximos quatro anos, substituindo no cargo Gonçalo Leite Velho. As alterações na presidência e na direção do SNESup acontecem após eleições realizadas dia 20 de novembro.

Professora auxiliar no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, onde dá aulas de disciplinas de Sociologia da Educação e de Supervisão e Formação de Professores, é também investigadora da UIDEF do IE – ULisboa, sendo o ensino superior um dos seus principais interesses de pesquisa.

Antes da sua atividade na Universidade de Lisboa, entre 1997 e 2018, Mariana Gaio Alves foi professora na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Licenciada em Sociologia pelo ISCTE e doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Nova de Lisboa, Mariana Gaio Alves é associada do SNESup desde 1998. Desde 2012 integra a direção do sindicato, tendo exercido funções de vice-presidente, nos últimos dois anos.

 

Recomendadas

Associação sindical pede ao Governo que ensino passe a funcionar em regime não presencial

Associação Sindical de Professores Licenciados defende que durante o confinamento geral do país, as escolas se mantenham abertas apenas para os alunos cujos pais pertencem a serviços essenciais ou para quem não têm condições para continuar o ensino em casa.

SNESup quer acesso prioritário à vacina para professores do superior

Mariana Gaio Alves, presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior, adiantou ao Jornal Económico que vai apelar às autoridades de saúde para considerem os docentes prioritários, devido ao facto de não se encontrarem em teletrabalho.

Sindicato Independente de Professores e Educadores: “Não concordamos com a decisão de não fechar as escolas”

O SIPE diz que o Governo optou por um “confinamento parcial”, uma vez que dois milhões de crianças e jovens continuam a circular livremente e receia que os sacrifícios económicos, psicológicos e sociais dos portugueses “de nada sirvam”.
Comentários