Professores exigem trabalhar 35 horas por semana e convocam greve para dia 14 de outubro

O pré-aviso de greve dos professores serve para “que o horário semanal dos docentes seja, efetivamente, de 35 horas”, conforme o “regime aplicável à generalidade dos trabalhadores da Administração Pública e o Estatuto da Carreira Docente”.

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira (3E) participa na manifestação nacional sob o lema “valorizar e rejuvenescer a profissão” no âmbito do Dia Mundial dos Professores em para celebrar a aprovação, em 5 de outubro de 1966, a Recomendação da UNESCO / OIT sobre o Estatuto dos Professores, em cooperação com OIT, Lisboa, 5 de outubro de 2019. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Os professores entregaram esta segunda-feira, 7 de outubro, um pré-aviso de greve ao Ministério da Educação, convocada para o próximo dia 14 de outubro. Em comunicado, a Fenprof admite que esta greve surge “face à inoperância do Ministério da Educação e à manutenção de abusos e ilegalidades nos horários”.

A Fenprof, liderada por Mário Nogueira, acusa o ministério de nunca ter apresentado orientações oficiais que permitiriam eliminar “a generalidade dos abusos e ilegalidades praticados pelas escolas”, acabando por tolerar e tornar-se “cúmplice dos mais diversos atropelos aos horários de trabalho dos professores”. Os professores voltaram então a classificar como “inaceitável que o mesmo governo que elimina anos de trabalho aos professores imponha, em cada ano, horários que o agravam em 30%”.

Desta forma, o pré-aviso de greve serve para “que o horário semanal dos docentes seja, efetivamente, de 35 horas”, conforme o “regime aplicável à generalidade dos trabalhadores da Administração Pública e o Estatuto da Carreira Docente”.

A Fenprof acusa os responsáveis do Ministério da Educação de passarem a ideia de que a greve no ano passado não teve impacto, o que classificam como falso, uma vez que a greve “levou as respetivas direções a corrigir as ilegalidade e a acabar com os abusos”, pois fizeram-se sentir com a anulação de reuniões e ausência de docentes.

“A greve convocada através deste pré-aviso incide sobre as reuniões de avaliação intercalar dos alunos, caso as atividades da escola não sejam interrompidas para o efeito”, afirma a Fenprof em comunicado oficial enviado à imprensa. A greve prevista para 14 de outubro vai ainda incidir sobre “todas as reuniões e demais atividade que não estando prevista, ultrapasse o limite de 35 horas semanais de trabalho”.

Relacionadas

Menor mobilização no arranque do desfile de professores pela valorização da profissão

Os manifestantes exibem sobretudo bandeiras das duas federações representadas na manifestação, mas veem-se outras bandeiras com o já muito conhecido ‘slogan’ referente ao tempo de serviço que os professores querem ver recuperado, “9A4M2D – todo o tempo”, e ainda outras apelando ao “fim dos abusos nos horários”.

Professores anunciam 10 reivindicações e ameaçam com greve em outubro

Sindicatos de professores preparam Manifestação do Dia Mundial do Professor, a 5 de outubro, na véspera das legislativas. E anunciam 10 bandeiras de luta, cujas reivindicações se não forem acolhidas precipitar o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar logo no dia 7 de outubro.
Recomendadas

“Não me resigno perante um PSD destituído de ambição”. Miguel Pinto Luz formaliza candidatura

Na formalização da candidatura à liderança dos social-democratas, Miguel Pinto Luz defendeu que é tempo de deixar liderar os protagonistas que “gostam do PSD” e rejeitou prestar qualquer tipo de “vassalagem” a outras forças políticas. “Não me conformo ao ver o PSD convalescente e a disputar o campeonato dos pequeninos. Esse não é o meu PSD”, sublinhou.

Trump diz que teve uma reunião “muito boa e cordial” com Powell

Donald Trump diz que “foi tudo discutido, incluindo taxas de juro, taxas negativas, baixa inflação, ‘quantitative easing’, a força do dólar e os seus efeitos na manufatura, comércio com a China, União Europeia e outros” na reunião com o responsável pela política monetária norte-americana.

Governo apresentou queixa no Ministério Público contra 21 pedreiras em incumprimento

O ministro do Ambiente e da Ação Climática anunciou esta segunda-feira que 21 pedreiras, de um universo de 185, estão em incumprimento por falta de vedações, exigidas pelo levantamento do Governo, tendo sido apresentada queixa ao Ministério Público.
Comentários