Professores: Governo pondera demitir-se face à pressão dos sindicatos

A garantia foi dada por um dirigente socialista próximo do primeiro-ministro António Costa, com o argumento de que a resposta que for dada aos professores terá de ser dada também a outras carreiras.

Cristina Bernardo

O Governo tem estado a ponderar e tem discutido várias vezes a sua própria demissão caso seja forçado a dar, através Parlamento, uma resposta aos professores.

A notícia é avançada pela “Renascença”, esta terça-feira, que informa que a garantia foi dada por um dirigente socialista próximo do primeiro-ministro António Costa, com o argumento de que a resposta que for dada aos professores terá de ser dada também a outras carreiras, o que é considerado pelos socialistas como financeiramente “insustentável”.

Segundo a rádio portuguesa que cita o executivo, para responder à exigência dos professores de reposição total do tempo de serviço congelado, seriam necessários 630 milhões de euros.

A mesma fonte garante que “é mesmo preciso dramatizar” esta questão, tendo em conta que esta tarde o Parlamento discute quatro apreciações parlamentares – uma do PCP, outra do Bloco de Esquerda, uma terceira do PSD e uma última do CDS – que respondem às reivindicações dos professores sobre a contagem do tempo de serviço.

A votação das apreciações parlamentares acontece amanhã, logo após o debate quinzenal dos deputados com o primeiro-ministro. Em vésperas do voto, fica assim dado o sinal às bancadas, quer da esquerda quer da direita, sobre os efeitos destas iniciativas caso sejam aprovadas.

 

Ler mais
Recomendadas

Lisboa Protege. Autarquia disponibiliza 20 milhões de apoio às empresas a partir de hoje

Esta fase do programa está orçada em 35 milhões de euros, sendo que 20 milhões são para os empresários com quebra de faturação superior a 25% nos três primeiros trimestres do ano passado ou na totalidade dos trimestres.

BE quer acabar “presunção legal” de que trabalhadores aceitam despedimento assim que recebem compensação

O BE entende que, quando um trabalhador é despedido por razões que não são de justa causa, o recebimento da compensação prevista na lei não é suficiente para certificar que esse mesmo trabalhador se resigna ou se abstenha de contestar o despedimento na justiça, e pede que essa presunção legal seja extinta.

PS e PSD separados por 11 pontos. Bloco regressa à terceira posição

O partido de António Costa recolhe 37,6% das intenções de voto, mantendo-se acima dos 26,5% registados pelo PSD, que se mantém com a mesma intenção de voto que em janeiro, segundo a sondagem da Aximage para a TSF/DN/JN.
Comentários