Professores: Rui Rio garante chumbo do PSD a descongelamento de carreiras se originarem “desequilíbrios orçamentais”

Sobre a crise política que teve início depois da aprovação do descongelamento de carreiras na especialidade, Rui Rio apontou que a “crise política foi feita pelo primeiro-ministro, não foi feita por nós”.

O presidente do PSD garante que o seu partido vai chumbar qualquer proposta relativamente ao descongelamento de carreira dos professores que venham a pesar nas contas públicas.

“Para o PSD é absolutamente vital que aquilo que vier a ser aprovado depois não origine desequilíbrios orçamentais futuros, por isso nós propusemos uma norma travão que foi reprovada”, disse Rui Rio na terça-feira à noite em entrevista à TVI.

“Se as pessoas mantiverem essa posição, ela vai ser reprovada em plenário, não podemos votar a favor de um diploma que não prevê a salvaguarda financeira”, garantiu o líder do maior partido da oposição.

Depois de ter sido submetido a votação na comissão parlamentar de educação na passada semana, a proposta vai agora ser submetida a votação global final no Parlamento na sexta-feira.

Sobre a crise política que teve início depois da aprovação do descongelamento de carreiras na especialidade, Rui Rio apontou que a “crise política foi feita pelo primeiro-ministro, não foi feita por nós”.

“Estão sempre a dizer que o PSD recuou, o PSD teria recuado se tivesse votado de uma maneira e fosse votar de outra maneira”, destacou Rui Rio, apontando que o documento terá de ser votado na globalidade no plenário.

Questionado sobre porque é que demorou algum tempo a reagir, depois da crise ter começado na quinta-feira à noite, o líder do PSD diz que demora “sempre algum tempo a reagir, porque quando há confusão e turbulência ninguém se entende”.

“O doutor Rui Rio demora sempre dois dias. O doutor Rui Rio não é corredor de velocidade em competições mediáticas”, sublinhou o social-democrata.

“O voto no PSD não poderá ser diferente daquilo que eu disse e do que eu fiz ao longo da minha vida em termos de rigor financeiro. No diploma final, se não estiver a salvaguarda, votamos contra”, garantiu.

“Informei direitinho o que queria, os deputados estavam em sintonia” com a direção do PSD, destacou.

Relacionadas

Professores: Deputados aceleram votação final do diploma para sexta-feira

O texto final da proposta que altera o diploma dos professores ainda tem de passar por Ferro Rodrigues antes de ser levado a votação.

António Costa quer “virar os portugueses contra os professores”, acusa Mário Nogueira

O líder do sindicado dos professores admitiu enviar durante a tarde desta terça-feira uma carta “a todos os partidos que apresentaram propostas para a alteração do decreto lei do tempo de serviço”.

Santana Lopes: “Nunca ninguém no PSD festejou fosse o que fosse com o dr. Mário Nogueira”

O antigo líder social-democrata deixou críticas à atuação do PSD no descongelamento das carreiras dos professores. “Não me lembro de na história da democracia portuguesa os partidos do centro direita festejarem com Mário Nogueira”, afirmou Santana Lopes.

PCP rejeita alterações do PSD e CDS à lei dos professores e evita crise política

O PCP vai confirmar em plenário a votação favorável à recuperação integral do tempo de serviço dos professores e rejeitar as condicionantes que PSD e CDS-PP anunciaram que iriam voltar a propor, anunciou hoje o partido. O BE segue o mesmo caminho.

Professores: Costa “aguarda serenamente” votação final, mas mantém ameaça de demissão

O primeiro-ministro afirmou hoje que vai “aguardar serenamente” a votação final do diploma relativo às carreiras dos professores e reiterou que, caso o parlamento aprove a reposição integral do tempo congelado, o Governo “não tem outro remédio” senão demitir-se.
Recomendadas

António Costa não vai mexer no dossiê dos professores: “É um assunto bem encerrado”

O primeiro-ministro e fontes próximas do mesmo indicaram ao “Expresso” que a reestruturação da carreira docente está fora do programa do PS para as próximas legislativas.

António Costa diz que chumbo da contagem total do tempo dos professores foi “uma vitória da responsabilidade”

O primeiro-ministro considera que o resultado da votação em plenário esta sexta-feira é “clarificador” e respeita o princípio da equidade, equilibrando as contas públicas e mantendo a credibilidade internacional.

Mário Nogueira agradece a António Costa a decisão de continuar à frente da Fenprof

“O PS, o Governo e António Costa ajudaram-me a tomar uma decisão. Irei ser secretário-geral da Fenprof se o congresso assim decidir em 15 de junho, porque o Governo, o PS e António Costa merecem que a luta continue e eu estou disponível para a liderar”, disse hoje o secretário-geral da Fenprof.
Comentários