Profissionais da Cultura juntam-se hoje num velório pelo sector em sete cidades

“A ideia é chamar a atenção do Governo que neste último ano deixou muita gente para trás, que está a viver a de solidariedade”, explicou à Lusa a atriz Anaísa Raquel, do Vigília Cultura e Artes.

Os profissionais da Cultura manifestam-se hoje em sete cidades em defesa de todos os trabalhadores “que este Governo deixou para trás” durante a pandemia da covid-19, como disse à Lusa o grupo informal Vigília Cultura e Artes.

O protesto, simbolicamente designado de velório, acontecerá ao longo do dia de hoje em frente à Assembleia da República, em Lisboa, e em seis outras cidades: Porto, Évora, Faro, Funchal, Ponta Delgada e Angra do Heroísmo.

“A ideia é chamar a atenção do Governo que neste último ano deixou muita gente para trás, que está a viver a de solidariedade”, explicou à Lusa a atriz Anaísa Raquel, do Vigília Cultura e Artes.

Este grupo informal surgiu em maio de 2020 para promover um protesto que decorreu em 17 cidades portuguesas precisamente para alertar para a situação de precariedade dos trabalhadores da Cultura agudizada pela pandemia da covid-19.

Quase um ano depois, Anaísa Raquel explica que o objetivo do protesto é voltar a dar voz a todos os trabalhadores da Cultura que não conseguiram qualquer apoio ou proteção social para fazer face à paralisação de atividade desde que começou a pandemia.

“É para honrar todos os que não desistiram e quem se sentir com forças que se junte a nós”, disse, sublinhando que permanecem as situações de desproteção social e de não regularização da profissão.

O protesto acontece na véspera de um Conselho de Ministros que, segundo o primeiro-ministro, António Costa, será dedicado à Cultura “de forma transversal” e no qual será aprovado o estatuto dos trabalhadores deste setor.

Ler mais
Recomendadas

Governo dá mais 11 milhões ao Garantir Cultura para projetos não empresariais

O anúncio dos serviços do Ministério da Cultura dá igualmente conta de que o programa Garantir Cultura, destinado ao tecido empresarial, com uma dotação orçamental de 30 milhões de euros, provenientes de fundos comunitários, recebeu 718 candidaturas.

Boa Nova é o primeiro hostel na ilha açoriana da Graciosa

A ideia do hostel partiu das irmãs Catarina e Maria Gama, ambas responsáveis pelo projeto, que visava colmatar a lacuna existente na ilha que não oferecia este tipo de alojamento.

Filme “Chelas nha kau” do coletivo Bataclan 1950 na programação de festival britânico

O 28.º festival Sheffiled Doc/Fest, dedicado ao documentário e às artes audiovisuais, decorrerá de 04 a 13 de junho, em formato híbrido, com sessões em sala e programação ‘online’. Na direção deste festival está, desde final de 2019, a programadora portuguesa Cíntia Gil.
Comentários