PremiumProfissionais do turismo optam pelo imobiliário

Profissionais de engenharia, arquitetura e marketing olham para a falta de emprego como oportunidade de mudança para o setor imobiliário. Até final do ano, poderão ultrapassar os 50% de recrutados.

A atual falta de emprego provocada pela pandemia do coronavírus no setor do turismo está a ser vista como uma oportunidade de mudança de área, mais concretamente o imobiliário.

O turismo está a ser um dos setores mais afetados pela Covid-19 e já registou quebras acima dos 80%, sendo que na hotelaria algarvia, por exemplo, se registaram perdas na ordem dos 850 milhões de euros.

Em declarações ao Jornal Económico (JE), Constanza Maya, Head of Operations & Expansion da Engel & Völkers em Espanha, Portugal e Andorra, refere que o imobiliário “está muito vinculado ao turismo e não é apenas em momentos de crise ou de falta de emprego que os profissionais do turismo decidem entrar no universo imobiliário”.

A explicação deve-se ao facto de os perfis dos trabalhadores de ambas as áreas serem semelhantes, nomeadamente as “capacidades de atenção ao cliente, orientação ao serviço e facilidade ao nível das línguas”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Empresas do sector imobiliário dizem que novo confinamento “é uma tragédia”

Luís Lima acredita que ao contrário do primeiro confinamento, “desta vez será muito difícil as imobiliárias conseguirem sobreviver, uma vez que o fundo de maneio existente foi-se esgotando ao longo do ano”.

Por onde devemos começar no Investimento Imobiliário?

Por onde devemos começar no investimento imobiliário? João Raposo, administrador do Grupo Reorganiza, explica ao detalhe quais os passos que deve dar se está a equacionar este tipo de investimento.

Preços das casas subiram 4,9% na zona euro no terceiro trimestre

Em relação ao trimestre anterior, os maiores aumentos foram verificados na Hungria (5,2%,), Dinamarca (4,2%) e Letónia (3,7%), enquanto as descidas mais significativas foram observadas no Chipre (4,8%) , Roménia (2,6%), Itália (2,5%) e Croácia (0,6%).
Comentários