Programa português de reabilitação urbana distinguido na Europa

Este programa já atingiu um investimento de 538 milhões de euros em 176 projetos de reabilitação integral de edifícios.

O Instrumento Financeiro de Reabilitação e Revitalização Urbanas (IFRRU 2020), considerado o maior programa de incentivo à reabilitação urbana lançado em Portugal, foi distinguido pela Comissão Europeia (CE) e pelo Banco Europeu de Investimento (BEI).

Segundo o ministério das Infraestruturas e da Habitação (MIH), esta distinção ocorreu num evento sobre instrumentos financeiros organizado pelas estas duas instituições no passado mês de dezembro em Bruxelas, onde o IFFRU 2020 foi apresentado como um programa dee referência na Europa.

De acordo com os dados relativos a novembro de 2019, o  IFRRU 2020 atingiu 538 milhões de euros de investimento, com 176 projetos contratados para a reabilitação integral de edifícios e melhoria do seu desempenho energético, projetos esses que estão localizados em mais de 60 municípios,

Este case study destacou “o poder de alavancagem deste instrumento financeiro (de quatorze vezes), uma vez um investimento de 100 milhões de euros provenientes dos fundos europeus estruturais do Portugal 2020 geram um potencial de financiamento de 1.400 milhões de euros, devido à combinação destes fundos com empréstimos do Banco Europeu de Investimento e do Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa, assim como os fundos aportados pelos intermediários financeiros”.

De acordo com o comunicado do (MIH) a Comissão Europeia e o BEI salientaram como fatores de sucesso do IFRRU 2020 “a cobertura nacional deste instrumento financeiro, ainda que assegurando uma abordagem local, dada a constituição de uma equipa dedicada para a gestão do programa, bem como a existência de um interlocutor em cada câmara municipal, através do protocolo celebrado com a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP)”.

Recomendadas

PremiumClaude Kandiyoti: “É mais rápido construir um projeto do que obter licenciamento”

Promotor belga assume que os processos burocráticos estão a criar um problema no setor imobiliário, mas manifesta a vontade de investir 300 milhões de euros em Portugal nos próximos cinco anos.

Lojistas de centros comerciais só terão de pagar parte variável das rendas até 31 de março de 2021

Proposta comunista limita pagamentos à parte calculada em função das vendas de cada loja, ficando a componente fixa suspensa até ao segundo trimestre do próximo ano. E aponta apoios a arrendatários habitacionais e a senhorios que tenham os rendimentos prediais reduzidos abaixo da subsistência.

Coimbra, Viana do Castelo e Évora com as maiores subidas nos preços das casas

Tendo em conta o balanço dos preços do último ano, Coimbra foi a cidade com a maior subida de preço, com um aumento de 15,2%, seguido por Viana do Castelo com um aumento de 13,9% e de Évora, com 13%.
Comentários