Projeções apontam para abstenção entre 50% e 60%

Valor da abstenção deverá superar o registado há cinco anos, mas não atingirá os valores que eram temidos devido ao receio de ir votar na pior fase da pandemia de Covid-19.

Aviso das secções de voto para as presidenciais de 2021

O nível de abstenção nas eleições presidenciais deste domingo deverá ficar entre 50 e 60%, o que poderá representar um aumento em relação aos 51,34% registados em 2016, mas muito aquém dos piores receios de um valor entre os 70% e os 75%.

Segundo a projeção da Universidade Católica para a RTP1, a abstenção ficará entre os 50% e os 55%, enquanto a SIC apresentou um intervalo entre 56 e 60%, numa projeção do ICS-ISCTE.

Por seu lado, a TVI aponta para um valor entre 54,5% e 58,5%, segundo o trabalho de campo da Pitagórica, enquanto a CMTV prevê, segundo a Intercampus, que a abstenção esteja entre 54% e 58%.

Está a ser destacado que todos estes valores devem ter em conta o facto de o recenseamento automático dos emigrantes terá aumentado o total de eleitores em 13% a base eleitoral, o que torna mais positivos os valores de abstenção registados neste domingo, tendo em conta a fraca participação dos portugueses que vivem no estrangeiro, dificultada pelo contexto de pandemia.

Recomendadas

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.

OMS reclama isenção de direitos de propriedade intelectual para vacinas

“Agora é o momento de usar todas as ferramentas para aumentar a produção, incluindo licenciamento, transferência de tecnologia e isenções de propriedade intelectual. Se não é agora, quando?”, questionou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.
Comentários