Promulgação de alterações laborais marca “rutura” com precariedade

O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, considerou hoje a promulgação das alterações laborais pelo Presidente da República sem dúvidas de constitucionalidade “uma notícia positiva” e defendeu que o diploma marca “uma rutura” com a precariedade.

Cristina Bernardo

“A legislação agora promulgada pelo Presidente da República [Marcelo Rebelo de Sousa] é uma legislação que estabelece uma rutura com muitos anos de questões no que toca à precariedade”, afirmou o ministro José Vieira da Silva.

O governante manifestou-se ainda satisfeito pela promulgação do diploma “com uma afirmação clara da constitucionalidade” da norma relativa ao alargamento do período experimental por parte do Presidente da República.

“Existiu alguma polémica em torno da criação, para jovens à procura do primeiro emprego e desempregados de longa duração, de um período experimental que já existe, aliás, para outros profissionais, mas que se destina a criar melhores condições para que as duas partes iniciem uma relação contratual que possa ser mais sólida e que aponte para um maior peso dos contratos sem termo nas relações laborais”, sublinhou Vieira da Silva.

Segundo explicou, a entrada em vigor das alterações ocorre um mês após a publicação das mesmas, mas nem todas as normas entram em vigor ao mesmo tempo.

“Esta legislação, em muitos aspetos, respeita períodos de transição. Alguém que tem um contrato em curso não o vai ver modificado por uma legislação que é posterior ao momento em que celebrou esse contrato”, disse o governante.

Já a nova contratação vai seguir as novas regras, que preveem por exemplo a redução da duração dos contratos a termo e respetivas renovações ou a criação de um banco de horas grupal, deixando de ser possível, na nova contratação, bancos de horas individuais.

“A economia portuguesa está sempre a gerar novos contratos de trabalho, são muitas centenas de milhar de contratos que em cada ano se formalizam e estou muito esperançado que esta legislação vá ajudar que uma parte cada vez mais crescente desses contratos sejam por tempo duradouro e não contratos em que se sabe logo o principio e o fim”, concluiu o ministro.

O Presidente da República promulgou hoje as alterações ao Código do Trabalho, considerando que a fundamentação do acórdão do Tribunal Constitucional de 2008 que ‘chumbou’ então o alargamento do período experimental não é válida neste caso.

Na nota, o Presidente indicou que não se afigura “que a fundamentação do Acórdão do Tribunal Constitucional n.º 638/2008, de 23 de dezembro, respeitante ao alargamento do período experimental para os trabalhadores indiferenciados, valha, nos mesmos exatos termos, para as duas situações ora mencionadas”.

As alterações ao Código do Trabalho foram aprovadas no parlamento em votação final global em julho, apenas com os votos favoráveis do PS e a abstenção do PSD e do CDS e com os votos contra do BE e do PCP.

Além do alargamento do período experimental, as alterações agora promulgadas preveem a introdução de uma taxa de rotatividade para as empresas que abusem dos contratos a prazo, a redução da duração máxima dos contratos a termo para dois anos (atualmente é de três anos) e um limite às renovações dos contratos.

Já os contratos de muito curta duração são alargados de 15 para 35 dias e a sua utilização é generalizada a todos os setores, deixando de estar limitada à agricultura e turismo, por exemplo.

É também criada a figura do banco de horas grupal, mecanismo que pode ser aplicado ao conjunto de trabalhadores de uma equipa, secção ou unidade económica desde que seja aprovado em referendo pelos trabalhadores.

Ler mais
Relacionadas

Presidente promulga alterações ao Código do Trabalho

Marcelo Rebelo de Sousa deu esta segunda-feira ‘luz verde’ às alterações à lei laboral, “considerando o esforço de equilíbrio entre posições patronais e laborais, ponderando os sinais que se esboçam de desaceleração económica internacional e sua virtual repercussão no emprego em Portugal”.
Recomendadas
TAP Portugal

TAP. Governo diz que está a ser avaliada hipótese da companhia aérea fazer “outro tipo de rotas”

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, explica que a possibilidade ganhou força devido às alterações no mercado devido à pandemia da Covid-19 e ao aumento da frota da empresa que está “inativa”.

Diploma do Chega sobre incompatibilidade de políticos retirado do plenário pelo Governo

Presidência da Assembleia da República avisou gabinete de André Ventura que o Executivo não autorizou o arrastamento do seu projeto de lei para ser discutido em conjunto com proposta de lei sobre contratação pública. “O Governo não achou bem o projeto e passou por cima do presidente da Assembleia da República”, protestou o deputado único do Chega.

Efacec: Estado não vai assumir responsabilidade pelas dívidas de Isabel dos Santos, garante Governo

O Executivo socialista acredita que “grande parte” da dívida da empresária angolana aos bancos que financiaram a sua entrada na Efacec (Montepio, BPI e BIC) “está perdida” porque o valor da indemnização que vai resultar da avaliação que o Governo vai fazer “não será suficiente para amortizar a totalidade dessa dívida”.
Comentários