Proposta do CDS-PP aprovada: Lisboa vai ter passadeiras arco-íris contra a homofobia e transfobia

Mais concretamente na avenida Almirante Reis, com o objetivo de assinalar o Dia Internacional de Luta contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia, a 17 de maio. Proposta do CDS-PP na Assembleia de Freguesia de Arroios foi aprovada por unanimidade.

No próximo dia 17 de maio, várias passadeiras da avenida Almirante Reis, em Lisboa, vão ser pintadas com as cores do arco-íris, como a bandeira do movimento LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, transgénero e intersexo). O objetivo da iniciativa consiste em assinalar o Dia Internacional de Luta contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia que se celebra nesse dia.

“Esta efeméride celebra-se a 17 de maio por ter sido nesse dia em 1990 que se retirou a homossexualidade da Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial de Saúde (OMS)”, destaca-se na fundamentação da proposta do CDS-PP, na qual se salienta também que “a Freguesia de Arroios é um lugar de todos e para todos, e sobretudo um lugar de inclusão”.

Os representantes do CDS-PP na Assembleia de Freguesia de Arroios, Frederico Sapage Pereira e Vítor Teles, propuseram então que se assinale a efeméride “com a colocação de passadeiras arco-íris, na avenida Almirante Reis, em frente aos sinais luminosos para passagem de peões junto aos números 1 e 13”.

Recomendadas

BE recomenda que restrições sejam “gradualmente substituídas por medidas de responsabilidade coletiva”

“Não nos parece que, por exemplo, restrições horárias ao comércio à restauração, a existência de recolher obrigatório, as limitações horárias a espetáculos culturais façam sentido neste momento”, disse Moisés Ferreira.

Relatório final da Comissão de Inquérito ao Novo Banco aprovado com votos contra do PS e abstenção do CDS

O relatório final da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco imputadas ao Fundo de Resolução foi aprovado com os votos contra do PS e com a abstenção do CDS.

PCP pede que Governo coloque de lado “estratégia de comunicação alarmista”

Os comunistas acreditam que “o que a atual situação epidemiológica reclama, mais do que insistência em restrições, é a adoção de medidas que permitam recuperar atrasos na vacinação, a implementação da testagem e o reforço das equipas de saúde pública”.
Comentários