Propostas de investimento em Angola atingem os 669 milhões em nove meses

A Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações de Angola recebeu 118 propostas de investimento entre agosto de 2018 e abril de 2019.

A Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações (Aipexdinhio) de Angola recebeu, entre agosto de 2018 e abril de 2019, 118 propostas de investimento no valor global de 750 milhões de dólares (cerca de 669 milhões de euros), informou em Luanda a administradora Sandra Dias dos Santos.

A administradora, ao falar à margem do ciclo de conferências “Angola Moldar o futuro – o caminho para a diversificação”, sublinhou que estes resultados são fruto da diplomacia económica levada a cabo pelo governo, bem como do trabalho desenvolvido pela agência para atrair investimento directo estrangeiro.

Sandra Dias dos Santos, citada pelo “Jornal de Angola”, disse que os projectos, que permitem a criação de mais de sete mil postos de trabalho para nacionais, estão concentrados maioritariamente nos sectores da indústria transformadora, comércio e agricultura.

Os investimentos são em grande número provenientes da China, Portugal e Eritreia, com implantação em curso ou prevista principalmente em Luanda e Bengo.

Dados apresentados em finais de março pelo presidente da Aipex, Licínio Contreiras, indicavam que, até aquele mês, a instituição tinha aprovado 93 projetos, avaliados em 650 milhões de dólares (aproximadamente 580 milhões de euros).

Recomendadas

Declarações de Trump alarmam investidores

A insistência de Donald Trump num “acordo completo” com a China, e o desprezo por um “parcial”, causam insegurança nos investidores e Wall Street fecha em território negativo.

“Não queremos um acordo parcial”. Trump perspetiva acordo comercial com a China para 2020

Trump disse que o seu relacionamento com o Presidente chinês, Xi Jinping, é muito bom, mas reconheceu que não tem sido fácil conseguir uma solução para a “guerra comercial” que separa os dois países há um ano e meio.

Correios britânicos estão a investigar “com urgência” devoluções de votos postais portugueses

Um porta-voz do Royal Mail confirmou a existência de “alguns casos” em que os envelopes que contêm o voto postal para os cidadãos portugueses que vivem no Reino Unido não estão a ser reconhecidos pelos sistemas de processamento da empresa.
Comentários