Prostituição, tráfico de droga e contrabando representam mais de 800 milhões de euros no PIB nacional

Há cinco anos as atividades ilegais contribuíram 0,38% para o PIB da União Europeia.

As atividades ilegais como a prostituição, o tráfico de droga e o contrabando representaram 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) de Portugal em 2018, noticiou o “Jornal de Negócios” esta segunda-feira, 26 de agosto. O crescimento é ligeiro e corresponde a 804 milhões de euros, aproximadamente.

Estas atividades são contabilizadas desde 2014, quando a União Europeia decidiu que os seus Estados-membros deveriam conhecer o peso real das atividades ilegais, criadoras da chamada economia paralela. Há cinco anos, em Portugal, o peso das atividades ilegais no PIB era de 0,4%, aproximadamente 629 milhões de euros.

De acordo com o “Jornal de Negócios”, apesar de ser obrigatório medir o pedo das atividades ilegais na economia nacional,  ainda não é possível fazer uma comparação entre todos os Estados-membros porque não existem dados recentes.

Contudo, sabe-se que há cinco anos as atividades ilegais contribuíram 0,38% para o PIB da UE.

Recomendadas

Confederação do Comércio e Serviços apela à vacinação dos governantes

Confederação presidida por João Vieira Lopes defende que vacinação das altas figuras do Estado é essencial para “a estabilidade e o regular funcionamento das instituições do Estado”, apelando para “não deixar que algum populismo possa conduzir ao adiamento de uma decisão”.

Banco de Fomento lança duas novas linhas de apoio à economia no valor de 1.100 milhões de euros

Banco Português de Fomento abre esta segunda-feira as candidaturas para as novas linhas de crédito. A linha de apoio para as empresas exportadoras da indústria e do turismo tem uma dotação global de 1.050 milhões de euros, enquanto a linha de apoio às empresas de montagem de eventos tem uma dotação de 50 milhões de euros.

“Fazemos uma reavaliação permanente”: Governo está alinhado com declaração de Marcelo

Ministro da Administração interna diz que o Governo faz “uma reavaliação permanente quer da evolução da pandemia, quer das medidas que são necessárias numa salvaguarda da sua adequação e proporcionalidade”.
Comentários