Prostituição, tráfico de droga e contrabando representam mais de 800 milhões de euros no PIB nacional

Há cinco anos as atividades ilegais contribuíram 0,38% para o PIB da União Europeia.

As atividades ilegais como a prostituição, o tráfico de droga e o contrabando representaram 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) de Portugal em 2018, noticiou o “Jornal de Negócios” esta segunda-feira, 26 de agosto. O crescimento é ligeiro e corresponde a 804 milhões de euros, aproximadamente.

Estas atividades são contabilizadas desde 2014, quando a União Europeia decidiu que os seus Estados-membros deveriam conhecer o peso real das atividades ilegais, criadoras da chamada economia paralela. Há cinco anos, em Portugal, o peso das atividades ilegais no PIB era de 0,4%, aproximadamente 629 milhões de euros.

De acordo com o “Jornal de Negócios”, apesar de ser obrigatório medir o pedo das atividades ilegais na economia nacional,  ainda não é possível fazer uma comparação entre todos os Estados-membros porque não existem dados recentes.

Contudo, sabe-se que há cinco anos as atividades ilegais contribuíram 0,38% para o PIB da UE.

Recomendadas

Agroindústria portuguesa tem condições para continuar a crescer, mas deve investir no conhecimento

O presidente da Lusomorango, Luís Pinheiro, e o diretor do Centro de Estudos Aplicados da Universidade Católica, Ricardo Reis, defendem que o sector agroindustrial tem condições para se desenvolver, no início da última conferência do ciclo para a concretização de uma visão estratégica para o agroalimentar em Portugal

Conferência sobre o agroalimentar e o Pacto Ecológico Europeu realiza-se esta quarta-feira. Veja aqui

O ciclo de conferências “Conhecer para Decidir, Planear para Agir” é promovido pela Lusomorango, a maior organização de produtores portuguesa do sector das frutas e legumes, e pela Universidade Católica Portuguesa, numa iniciativa de que o Jornal Económico é media partner.

Banco de Portugal retirou mais de 12 mil notas contrafeitas de circulação em 2020

As notas contrafeitas retiradas de circulação corresponderam a 2,6% do total detetado a nível mundial e a 2,8% do apreendido na área do euro e as moedas contrafeitas eram representativas de 1,5% do total retirado a nível global.
Comentários