“Protejam-se”. Jovens adultos infetados avisam mais novos para os perigos da Covid-19

Os dados iniciais mostravam que pacientes com doenças crónicas e pessoas mais velhas eram mais propícias a ser infetadas pelo novo coronavírus, até os mais jovens começarem a ir ao hospital com sinais de infeção em estado mais avançado.

António Cotrim/Lusa

A ideia de que apenas as pessoas mais velhas estão susceptíveis ao novo coronavírus não corresponde à verde e as norte-americanas Valerie Wilson e Fiona Lowenstein, de 34 e 26 anos, respetivamente, são a prova disso. Embora muitos millennials estejam a cumprir as regras, outros quebram-nas e estão convictos que o vírus não as afeta ou que, em último caso, não lhes causa a morte.

Wilson e Lowenstein também acreditavam que eram demasiado jovens para serem infetadas com o vírus, até ao dia em que os testes se revelaram positivo, assumem à ‘CNN’. Atualmente, apresentam um estado de saúde estável, mas ainda estão a recuperar da infeção da Covid-19.

Os dados iniciais mostravam que os pacientes com doenças crónicas e pessoas mais velhas eram mais propícias às infeções pelo novo coronavírus, até os mais jovens começarem a ir ao hospital com sinais de infeção ou em estado mais avançado.

Valerie Wilson, de 34 anos, rejeitou os sintomas quando começou a ficar doente, pensando tratar-se de uma constipação ligeira. A sintomatologia era cansaço extremo e uma febre ligeira, mas só quando perdeu o olfacto e o paladar percebeu tratar-se de algo mais grave e associou ao Covid-19. Também o seu médico rejeitou a hipótese de que Wilson estaria infetada, e só após desenvolver uma tosse forte pediu para ser analisada.

Com doença de Lyme e um distúrbio auto-imune, Wilson chegou a pensar no pior, assumiu a própria à ‘CNN’. Desta forma, Valerie Wilson pede aos mais jovens para ficarem em casa e protegerem-se. “Todos precisamos de estar conscientes de que podemos ter alguma doença que nos torne mais suscetíveis a esse vírus”, afirmou.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Valerie Joy Wilson 🌍 Traveler (@trustedtravelgirl) a


Também Fiona Lowenstein nunca pensou na possibilidade de ficar infetada, e pensou que a sua idade seria um travão ao vírus. A 13 de março desenvolveu um febre mas rapidamente o seu pensamento inicial foi colocado de parte quando começou a desenvolver tosse.

No dia 16, Lowenstein “não conseguia falar, não conseguia andar e não conseguia comer” e acabou por se deslocar às urgências. Agora, associado a esses sintomas percebe que também tinha falta de ar e lhe custava respirar. Até aos próximos testes acusarem negativo, a jovem de 26 anos tem de se manter isolada

Segundo um estudo do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças citado pela ‘CNN’, cerca de 20% dos norte-americanos que se encontram hospitalizados com o vírus têm entre os 20 e os 44 anos de idade. A responsável da Casa Branca para o coronavírus admitiu que “os relatórios de França e Itália, sobre jovens estarem gravemente doentes, são preocupantes”.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Fiona Lowenstein (@fi_lowenstein) a

Ler mais
Recomendadas

Itália regista 760 óbitos nas últimas 24 horas e um aumento ligeiro no número de casos confirmados

As autoridades de saúde italianas reportaram no relatório desta quinta-feira mais 760 mortes nas últimas 24 horas, mais 33 vítimas mortais do que ontem.

Efacec vai para lay-off durante 30 dias a partir de 6 de abril

A empresa diz que o lay-off será aplicado “transversalmente a todos os níveis da organização”, tanto na modalidade de suspensão de contrato, como da redução temporária do horário de trabalho.

Só vão ser permitidas deslocações na área de residência permanente durante a Páscoa

O decreto do Governo que vai regular o novo período de Estado de Emergência nacional, até 17 de abril, prevê ainda que, nas deslocações de carro, são apenas permitas duas pessoas por veículo, exceto no caso das famílias.
Comentários