PS diz que PSD vem “a más horas e em contramão com o progresso” no hidrogénio

O secretário-geral adjunto do PS lembrou que no passado o PSD “chegou tarde e a más horas à modernização administrativa do Estado”, mas também ao projeto do Alqueva e às energias renováveis e veículos elétricos.

Flickr/PS

O secretário-geral adjunto do PS, José Luís Carneiro garantiu que o PSD vem “a más horas e em contramão com o progresso” quanto à produção de hidrogénio, durante a sua visita, a 1 de agosto, às obras de recuperação do mercado municipal de Leiria.

“Agora, num momento em que o País está na dianteira do grupo dos países que apostam no hidrogénio para efeitos de descarbonização, num projeto essencialmente financiado por fundos comunitários, [o PSD] chega tarde, a más horas e em contramão com o progresso”, assegurou José Luís Carneiro.

O deputado do PS lembrou que no passado o PSD “chegou tarde e a más horas à modernização administrativa do Estado. Chegou tarde e a más horas ao grande projeto do Alqueva. Chegou tarde e a más horas às renováveis e aos veículos elétricos”

“Defender a descarbonização e enfrentar os desafios das alterações climáticas, diminuir a dependência energética País, passa também pela aposta na produção de hidrogénio e na sua incorporação na atividade económica mais sustentável”, defendeu José Luís Carneiro.

A 24 de julho, no debate do Estado da Nação, Rui Rio qualificou o investimento na produção de hidrogénio como sendo um “projeto extremamente perigoso”, e apontou que o país não tem “condições para aventuras nem para ideias megalómanas”.

Durante o debate, o líder do PSD também sublinhou o “investimento do Governo para este setor, de 7 mil milhões de euros até 2030” em comparação com os 9 mil milhões de euros anunciados pela Alemanha, que tem um PIB “16 vezes superiores a Portugal”.

Entretanto, a 30 de julho foi aprovada a Estratégia Nacional para o Hidrogénio, em Conselho de Ministros, e ficou definido um investimento de entre “7 mil a 9 mil milhões”, bem como a “redução da importação de gás natural entre 380 a 740 milhões de euros” e a criação de 8500 a 12000 novos empregos, diretos e indiretos”.

Entre os projetos da Estratégia Nacional para o Hidrogénio estão, a criação de um projeto de produção de hidrogénio verde, em Sines, a descarbonização do setor dos transportes pesados, a descarbonização da indústria nacional, a criação de um laboratório colaborativo para o hidrogénio e a formalização de uma candidatura ao Projeto Importante de Interesse Europeu Comum para o hidrogénio.

Cinco pontos centrais na estratégia do hidrogénio para Portugal

Ler mais
Relacionadas

PremiumNuno Moreira: “Os projetos do ‘hidrogénio verde’ não são megalómanos”

O presidente executivo da Dourogás diz que a dimensão dos projetos de ‘hidrogénio verde’ é adequada às condições de mercado de Portugal e que, a curto prazo, o preço deste combustível tenderá a aproximar-se ao preço do gás natural.

Hidrogénio: João Galamba critica professor universitário

O secretário de Estado da Energia deixou fortes críticas a Clemente Pedro Nunes, depois da entrevista dada pelo professor na quinta-feira onde abordou a estratégia nacional para o hidrogénio, aprovada ontem pelo Governo.

Cinco pontos centrais na estratégia do hidrogénio para Portugal

O ministério do Ambiente aponta que até 2030 o hidrogénio poderá gerar investimentos na ordem dos sete mil milhões a nove mil milhões de euros, podendo provocar a redução nas importações de gás natural e de amónia. Em termos de criação de emprego, o Governo estima que possam ser criados entre 8.500 a 12.000 novos postos de trabalho diretos e indiretos.

EDP, Galp, REN e Martifer unidas em projeto de hidrogénio verde em Sines

A estas empresas nacionais junta-se a gigante mundial dinamarquesa da energia eólica, a Vestas, e vários outros parceiros europeus. Numa primeira fase, vai ser lançado um projeto-piloto de 10 megawatts de eletrólise que ao longo da próxima década deverá evoluir para 1 gigawatt de capacidade de eletrólise na cidade portuária do distrito de Setúbal.
Recomendadas

Turismo. Pedidos de reembolso fazem disparar número de reclamações em 342% de junho a setembro

Segundo as estimativas apresentadas pelo Portal da Queixa registou-se um total de 2.457 queixas na categoria Hotéis, Viagens e Turismo numa altura em que a pandemia afeta o principal motor económico em Portugal.

Associação de Turismo do Porto e Norte adivinha “competição muito feroz” com “grandes potências”

“A competição entre destinos será muito feroz. A nossa vizinha Galiza (Espanha) anunciou, logo no início da pandemia, um envelope de 27 milhões de euros para poder trabalhar a sua promoção internacional”, alertou o novo presidente da ATP, Luís Pedro Martins.

ASF não se opôs à fusão da Generali com a Tranquilidade

O Conselho de Administração da ASF, no dia 29 de setembro de 2020, deliberou autorizar a fusão por incorporação da Generali – Companhia de Seguros, e da Generali Vida – Companhia de Seguros, assegurou o regulador em comunicado. Por debaixo da Generali Seguros ficará a Tranquilidade, a Logos e a Açoreana. Tudo marcas que se mantém.
Comentários