PS faz apelo veemente ao consenso sobre arrendamento e assume desacordo com PCP

O pedido de adiamento das votações para terça-feira deveu-se à ausência de consenso político no que respeita ao conjunto de diplomas do Governo sobre mercado de arrendamento.

O PS fez hoje um veemente apelo para que exista consenso em torno dos diplomas do Governo sobre regulação e incentivos ao mercado de arrendamento, alegando que a situação é “aflitiva” e que se exigem respostas “urgentes”.

Esta posição foi transmitida em conferência de imprensa, na Assembleia da República, em Lisboa, pelo vice-presidente da bancada socialista João Torres.

João Torres, ex-líder da JS, disse que o PS requereu o adiamento das votações que estavam previstas para hoje no âmbito do grupo de trabalho (parlamentar) da habitação urbana e políticas de cidades.

O pedido de adiamento das votações para terça-feira deveu-se à ausência de consenso político no que respeita ao conjunto de diplomas do Governo sobre mercado de arrendamento.

Ao longo da conferência de imprensa, João Torres disse que a primeira prioridade dos socialistas passou pelo diálogo com os seus parceiros de esquerda (BE, PCP e PEV).

No entanto, de acordo com o ‘vice’ do Grupo Parlamentar do PS, a bancada comunista manifestou-se contra um aspeto considerado central para aumentar a oferta no mercado de arrendamento: a concessão de benefícios fiscais aos proprietários, designadamente a isenção de taxa liberatória (de 28%) caso coloquem as suas casas para arrendar 20% por cento abaixo da mediana de preços praticada na zona em que se situa o imóvel.

“O Grupo Parlamentar do PS nunca enjeitou nenhum diálogo com forças políticas, dando evidentemente sempre preferência ao diálogo à esquerda no quadro parlamentar. A questão da habitação é aflitiva e, nesse sentido, estamos disponíveis, como sempre estivemos, para fazer o diálogo o mais alargado possível, por forma a que as mudanças a operar no mercado de arrendamento sejam sentidas com a maior brevidade possível no quotidiano das famílias portuguesas”, justificou.

Num recado indireto sobretudo dirigido ao PSD, João Torres afirmou que “se a situação implicar um diálogo com outras forças políticas, que não o PCP ou o Bloco de Esquerda, o PS está disponível para interagir com todos”.

“É importante que cada grupo parlamentar assuma as suas responsabilidades. Cada grupo parlamentar tem de ter a consciência de que, se esta for uma oportunidade perdida [do ponto de vista político], o prejuízo será para os portugueses”, completou.

O PS requereu o adiamento potestativo da votação indiciária das propostas relativas ao pacote legislativo sobre habitação, que se iniciava hoje, mas o processo ficará concluído antes da aprovação do Orçamento do Estado (OE), garantiu a deputada Helena Roseta.

Ler mais
Recomendadas

Terrenos da Lisnave: o maior negócio do século na Grande Lisboa

Após décadas, vai avançar a venda dos terrenos da Margueira, com 630 mil metros quadrados de construção prevista para diversos usos e concessões de marina e terminal fluvial. Há grupos interessados de vários continentes.

Valor médio do metro quadrado no Centro Histórico do Porto foi de 2.126 euros em 2018

Os edíficios em questão dizem respeito apenas aos que possuem uma área de até 500 metros quadrados. Zona da Campanhã foi aquela onde foram vendidas mais habitações (130).

É como “viver num paraíso fiscal”. Portugal está a atrair os multimilionários brasileiros

Cada vez mais brasileiros de classe alta estão a ser atraídos para terras lusas devido à expansão no mercado imobiliário e benefícios fiscais que Portugal oferece.
Comentários