PS foi a Belém transmitir “tranquilidade” com a atual situação do país

O presidente do Partido Socialista (PS), Carlos César, defendeu que, apesar de se preverem “algumas sombras” na evolução da economia europeia, o comportamento da economia portuguesa tem sido “muito positivo” e a confiança dos investidores mantém-se em alta.

O presidente do Partido Socialista (PS), Carlos César, foi esta terça-feira recebido, no Palácio de Belém, pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a quem transmitiu “tranquilidade” com a atual situação do país. Carlos César defendeu que, apesar de se preverem “algumas sombras” na evolução da economia europeia, o comportamento da economia portuguesa tem sido “muito positivo” e a confiança dos investidores mantém-se em alta.

“A nossa mensagem junto do presidente da República foi a de transmitir a tranquilidade com que o Partido Socialista enfrenta esta fase da vida do nosso país. Uma tranquilidade que não anula o nosso inconformismo em procurar que as coisas corram melhor do que o que têm corrido, mas que também não anula a nossa satisfação pelo facto de termos indicadores no plano social e no plano económico que mostram o sucesso desta experiência do Governo”, afirmou Carlos César, à saída da reunião.

O presidente do PS diz que, “apesar de algumas sombras que surgiram do ponto de vista da evolução da economia nacional e europeia, particularmente dos países que são destino das nossas exportações”, a economia portuguesa continua pujante e “a confiança dos investidores e empresários se mantém em alta”. “Conjugam-se todos os indicadores para um bom comportamento da economia”, sublinhou.

Entre os assuntos que estiveram em cima da mesa estiveram também os três momentos eleitorais que se aproximam: europeias, regionais da Madeira e legislativa. Carlos César considera que “o Partido Socialista depende mais do que nunca de se próprio, do seu desempenho do Governo e das suas capacidades de abertura, renovação, compreensão dos desejos dos portugueses e de proximidade”.

O encontro inseriu-se no quadro dos “contactos regulares” que o chefe de Estado tem mantido com os diferentes partidos políticos com assento parlamentar. A última audiência aos sete partidos políticos com assento parlamentar aconteceu entre os dias 5 e 6 de dezembro. O principal tópico tratado na altura foi o Orçamento do Estado para 2019 que estava, na altura, a ser discutido na especialidade na Assembleia da República e a data das eleições legislativas.

Em 2018, o chefe de Estado reuniu-se com os partidos por três vezes: em fevereiro, julho e dezembro.

Ler mais
Recomendadas

Presidente do Supremo Tribunal pode receber mais 600 euros mensais do que o primeiro-ministro

Os salários dos magistrados têm um limite salarial máximo que os impede de ganhar mais do que o primeiro-ministro, mas, caso a revisão do estatuto proposta pelo PS venha a ser aprovada, termina este impedimento salarial.

Parlamento vota hoje projetos de resolução sobre Programa de Estabilidade

No debate do Programa de Estabilidade, na quarta-feira, os partidos de esquerda criticaram duramente o plano orçamental para o período 2019-2023, mas é esperado que ajudem a chumbar a rejeição do PSD e CDS aos programas.

Joana e Mariana Mortágua: “Leva o Bolsonaro para ao pé do Salazar”

“Ó meu rico Santo António, ó meu santo popular, leva lá o Bolsonaro, leva lá o Bolsonaro para ao pé do Salazar”. É assim a letra da música, que envolve o presidente do Brasil, cantada pelas deputadas do Bloco de Esquerda durante uma marcha do 25 de abril. A música foi cantada na presença de Catarina Martins, de Marisa Matias e de um deputado francês. O ditador António de Oliveira Salazar morreu em 1970.
Comentários