PS quer ouvir Novo Banco no Parlamento sobre venda de imóveis

João Paulo Correia explicou que o partido quer ouvir a administração do Novo Banco e o Fundo de Resolução na reabertura do Parlamento para “saber se o interesse público está a ser bem defendido ou não está a ser bem defendido”.

João Paulo Correia

O PS quer ouvir o presidente do Novo Banco, António Ramalho, na reabertura dos trabalhos parlamentares, seguido dos responsáveis do Fundo de Resolução. Em causa estão as notícias sobre a venda de ativos pela instituição financeira, visando esclarecer se o interesse público está a ser prejudicado.

“No âmbito daquilo que foi uma proposta do PS aprovada no Parlamento, que é ouvir todo o setor financeiro, num conjunto vasto de audições, que essas audições se iniciem ouvindo a administração do Novo Banco e ouvindo seguidamente o Fundo de Resolução sobre aquilo que tem sido a venda deste conjunto de ativos com perdas avultadas e que tem justificado as chamadas de injeção por capital por parte Fundo de Resolução com empréstimos do Estado”, disse o vice-presidente do grupo parlamentar do PS, João Paulo Correia, em declarações à RTP, esta terça-feira.

O parlamentar socialista frisou que “acima de tudo” o objetivo é “saber se o interesse público está a ser bem defendido ou não está a ser bem defendido”.

A intenção deverá ser apoiada pelo Bloco de Esquerda. A deputada do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua, defendeu que “todo o mecanismo que está montado para proteger os interesses do Estado no negócio do Novo Banco é uma fraude”. Em declarações aos jornalistas no Parlamento, transmitidas pela RTP, Mariana Mortágua disse que “o contrato de venda do Novo Banco está feito para a Lone Star poder gerir os ativos de forma a a retirar o mais rapidamente possível dinheiro público do Estado através do mecanismo de garantia”.

Também o presidente do PSD, Rui Rio, se manifestou sobre a alienação de 13 mil imóveis pelo Novo Banco, avançada pelo jornal Público, defendendo que “o Governo nunca devia ter pago sem aferir a seriedade das faturas” e que “parece que isto pode ser ainda pior do que se imagina”.

“Excelente trabalho jornalístico. Tenho vindo a questionar insistentemente os negócios deste Banco Bom, e sempre disse que o Governo nunca devia ter pago sem aferir a seriedade das faturas. Parece que isto pode ser ainda pior do que se imagina. Tem a palavra o Ministério Público”, escreveu o líder social-democrata, numa publicação no Twitter.

O “Público” noticiou que um fundo das ilhas Caimão comprou imóveis do Novo Banco com crédito do mesmo. Segundo o matutino, o banco vendeu, em 2018, uma carteira de ativos imobiliários — 5.552 imóveis e 8.719 frações — a cinco sociedades imobiliárias portuguesas por 364 milhões de euros, abaixo do valor contabilístico de 631 milhões de euros, tendo o Fundo de Resolução colmatado parte das perdas com a operação, com uma injeção de 260 milhões de euros.

O Novo Banco reagiu à notícia, garantindo que a venda da carteira de imóveis em 2018, denominada projeto Viriato não implicou custos para o Fundo de Resolução porque a maioria dos ativos não estavam cobertos pelo mecanismo de capitalização contingente (CCA). Em comunicado, a instituição financeira liderada por António Ramalho, garante que “esta operação não teve qualquer custo direto para o Fundo de Resolução porque a generalidade dos imóveis não estão cobertos pelo mecanismo de proteção de capital. Refira-se mesmo que para a totalidade dos imóveis protegidos até dezembro de 2019, o banco tinha obtido para o Fundo de Resolução uma mais valia de dez milhões de euros que reduzia às perdas noutros créditos”.

No debate do Estado da Nação, Rui Rio já tinha criticado a gestão do Novo Banco, nomeadamente sobre a venda de um lote de imóveis ao fundo de investimento Cerberus. Em causa está a venda de um conjunto de cerca de 200 propriedades ao fundo que tem ligações ao ex-chairman e atual presidente do conselho geral de supervisão do banco, Byron Haynes. Em entrevista ao JE, publicada na semana passada, Byron Haynes garantiu que não tem ligações com o Cerberus desde que saiu do banco austríaco, BAWAG PSK, que tem como maior acionista este fundo.

Depois disso o primeiro-ministro, António Costa, enviou uma carta a solicitar a intervenção do Ministério Público com vista a travar a venda de ativos até que seja conhecida a auditoria da Deloitte a negócios do banco, noticiou o “Expresso”. A Procuradoria-Geral da República já confirmou que está a analisar o pedido.

Ler mais
Relacionadas

Rui Rio sobre Novo Banco: “Parece que isto pode ser ainda pior do que se imagina”

Líder do PSD sublinha que tem questionado “insistentemente” os negócios do Novo Banco e que “sempre disse que o Governo nunca devia ter pago sem aferir a seriedade das faturas”.

Novo Banco diz que venda do projeto Viriato não causou “prejuízos diretos ao Fundo de Resolução”

O banco garante que a venda do projeto Viriato foi realizada “segundo os melhores padrões internacionais” e que “não teve qualquer custo direto para o Fundo de Resolução” porque a generalidade dos ativos não estão cobertos pelo mecanismo de capital contingente, segundo a instituição.

Ministério Público está a analisar pedido de Costa para travar vendas de ativos do Novo Banco, diz PGR

Novo Banco perdeu quase 330 milhões de euros em venda de ativos imobiliários. Líder do PSD acusa banco de “vender ao desbarato” um conjunto de imóveis do grupo e sugeriu uma investigação. Depois de intervenção de Rui Rio no Parlamento, primeiro-ministro enviou carta à PGR para que MP desenvolva “os procedimentos cautelares adequados à proteção dos interesses financeiros do Estado”.

Novo Banco entregou à PGR documentação sobre venda de carteiras de imóveis

O Jornal Económico sabe que foi entregue, esta segunda-feira, à PGR um “conjunto de informação exaustiva” sobre a venda de duas carteiras de ativos imobiliários, denominados por projeto “Viriato” e projeto “Sertorius”.
Recomendadas

Lucros do Bankinter afundam 50% para 220 milhões

Bankinter justifica recuo nos lucros com a realização de provisões devido à pandemia. Já o Bankinter Portugal viu os resultados antes de impostos recuarem 36% para 33 milhões de euros.

Conselho Geral do Novo Banco aprova hoje redução da administração executiva e continuidade de Ramalho

É hoje que é decidida a renovação do mandato para António Ramalho que se mantém presidente executivo do Novo Banco no próximo mandato de 2021-2024. O Conselho Geral de Supervisão vai reduzir o Conselho de Administração Executivo para seis membros e aprovar o novo plano de negócios.

Tribunal da Concorrência declara prescrição de coimas do BdP a ex-administrador do Montepio

Tribunal da Concorrência declarou a prescrição das contraordenações imputadas pelo supervisor ao ex-administrador do Montepio Rui Amaral, num processo que já teve sentença anulada pelo Tribunal da Relação e que tem novo início agendado para a semana.
Comentários