PSD. Adão Silva formaliza candidatura a líder de uma bancada “profundamente coordenada” com Rui Rio

Adão Silva anunciou que a sua candidatura à presidência do grupo parlamentar social-democrata será “de continuidade” e assentará numa lógica de “unidade” entre o grupo parlamentar e a direção de Rui Rio.

O deputado e atual vice-presidente do grupo parlamentar do Partido Social Democrata (PSD), Adão Silva, formalizou esta terça-feira a candidatura a líder parlamentar do partido. Adão Silva anunciou que a sua candidatura à presidência do grupo parlamentar social-democrata será “de continuidade” e assentará numa lógica de “unidade” entre o grupo parlamentar e a direção de Rui Rio.

“A minha candidatura é marcada, e quero que seja marcada, por uma lógica de unidade no grupo parlamentar, que não se resume apenas ao grupo parlamentar, mas que nos deixa mais apetrechados e capazes para fazermos o nosso trabalho enquanto representantes de todos os portugueses”, afirmou Adão Silva, após formalizar a entrega da sua candidatura a líder do grupo parlamentar do PSD.

A lista de Adão Silva tem como primeiro subscritor o presidente do PSD, Rui Rio, e mantém os nomes que já tinha proposto em março, antes de a eleição ser adiada devido à pandemia da Covid-19. Na lista, sugere a recondução dos atuais ‘vices’ da bancada ‘laranja’ (Carlos Peixoto, Luís Leite Ramos, Clara Marques Mendes, Ricardo Baptista Leite e Afonso Oliveira) e a inclusão da deputada Catarina Rocha Ferreira na vice-presidência.

Adão Silva referiu que a lista que apresentou estará “profundamente coordenada com os órgãos do partido”, sobretudo com a direção de Rui Rio, e rejeita que o grupo parlamentar seja visto como uma espécie de órgão mais autónomo do partido. “Essa coordenação [entre o grupo parlamentar e a direção do partido] é, para mim, inquestionável”, disse.

O candidato a líder parlamentar do PSD sublinhou ainda que vai procurar “zelar, unir, intervir e trabalhar para que o futuro de todos os portugueses seja um futuro mais risonho e de maior sucesso em todos os campos e circunstância, sobretudo, num tempo de grande dificuldade como aquele vivemos em Portugal”. Comprometeu-se ainda a reunir mais vezes o grupo parlamentar para discutir temas.

“Os deputados do grupo parlamentar do PSD ficam a saber que vamos fazer mais reuniões, intensificar o debate e vamos, sobretudo, encontrar as melhores soluções, em que estejamos o mais que possível todos de acordo. O PSD é um partido muito plural, temos de respeitar as diferenças de cada um, mas no final prevalecerá a maioria e o pensamento mais articulado com a direção”, frisou.

Segundo o regulamento interno do grupo parlamentar do PSD, as listas que concorrem à direção da bancada devem ser subscritas por um mínimo de 5% dos deputados, o que, com a atual geometria parlamentar, corresponde a quatro deputados. Ou seja, as listas que se apresentarem a estas eleições têm de ser subscritas por, pelo menos, quarto deputados, que não podem ser os mesmos que os nomes propostos para a direção.

As eleições para a direção do grupo parlamentar do PSD estão marcadas para esta quinta-feira, dia 17. Depois de o deputado Pedro Pinto ter retirado a candidatura, por falta de apoio para concorrer à liderança da bancada, Adão Silva será candidato único a suceder a Rui Rio enquanto presidente do grupo parlamentar.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento discute hoje e vota referendo sobre a eutanásia na sexta-feira

O parlamento discute hoje e vota na sexta-feira uma proposta de referendo sobre a eutanásia, que divide direita e esquerda, mas em que há um bloco maioritário para a “chumbar”, do PS, BE, PCP, PAN e PEV.

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

Marcelo promulga diploma que reduz debates europeus na AR para dois por semestre

O Presidente da República promulgou hoje o diploma aprovado por PS e PSD que reduz os debates europeus no parlamento para dois por semestre, depois de ter vetado uma primeira versão que previa apenas um por semestre.
Comentários