PSD: Conselho de Jurisdição pede “esforço” de todos no cumprimento de regulamentos na segunda volta

O apelo consta de uma carta enviada pelo presidente do Conselho de Jurisdição Nacional (CJN) do PSD, José Nunes Liberato, de todos os presidentes de mesa das assembleias de secção, explicando as regras que suscitaram dúvidas há uma semana.

PSD

O Conselho de Jurisdição Nacional (CJN) do PSD apelou esta sexta-feira ao “esforço” coletivo para cumprir as regras estabelecidas para a segunda volta das eleições diretas, que acontece este sábado. O apelo consta de uma carta enviada pelo presidente do CJN do PSD, José Nunes Liberato, aos presidentes de mesa das assembleias de secção, explicando as regras que suscitaram dúvidas há uma semana.

“No próximo sábado, teremos a segunda volta da eleição. Peço-vos o vosso melhor esforço em mais uma jornada de trabalho cívico e democrático. As eleições decorrem nos termos do regulamento da eleição do presidente da Comissão Política Nacional aprovado pelo Conselho Nacional”, lê-se na carta enviada pelo presidente do CJN a todos os presidentes de mesa das assembleias de secção.

José Nunes Liberato lembra “em especial” três regras que “suscitaram dúvidas em algumas mesas no passado dia 11”, quando decorreu a primeira volta nas diretas. Em primeiro lugar, “a identificação dos eleitores é unicamente feita através de documento original do cartão de identificação civil, passaporte ou carta de condução”, depois que “as candidaturas têm direito a indicar um delegado efetivo e dois suplentes por cada mesa para fiscalizar o ato eleitoral e assinar a ata final da eleição”.

O presidente do CJN do PSD recorda ainda que “a ata eleitoral deve ser assinada e entregue tão cedo quanto possível e sempre no próprio dia da eleição”.

Os resultados da eleição, tal como aconteceu no passado sábado, serão revelados pelo Conselho de Jurisdição Nacional, que vai estar a acompanhar o processo na sede nacional do partido, em Lisboa. As votações decorrem entre as 14h00 e as 20h00 em todo o país.

Na primeira volta, o atual presidente e recandidato, Rui Rio, foi o candidato mais votado, com 49,02% dos votos. Já o antigo líder parlamentar social-democrata Luís Montenegro, com que Rui Rio vai disputar a segunda volta, conseguiu 41,42%. Já o vice-presidente da Câmara de Cascais, Miguel Pinto Luz, obteve 9,55%, tendo ficado fora da segunda volta.

Ler mais
Relacionadas

Carlos Carreiras: “Se Passos Coelho decidir voltar, o partido estará unido a apoiá-lo”

“Se e quando Pedro Passos Coelho decidir voltar, tenho a certeza de que o partido estará unido” a apoiá-lo, sustentou o autarca de Cascais, embora recordando problemas do foro pessoal do ex-primeiro-ministro que o poderão manter afastado da vida política ativa.

Luís Montenegro acusa membros da Comissão Permanente do PSD de estarem a abordar os seus apoiantes

Candidato à liderança social-democrata reage a acusações de que estará a prometer lugares aos apoiantes de Miguel Pinto Luz que irão votar em si na segunda volta das diretas. E garante: “Os nossos adversários políticos estão desejosos de que Rui Rio continue a liderar o PSD.”
Recomendadas

Prémios na TAP: “Remeto para as palavras do ministro” que considerou “inaceitável” reage Miguel Frasquilho

O presidente do conselho de administração da TAP sinalizou ao Jornal Económico concordar com as críticas do ministro das Infraestruturas sobre novo pagamento de prémios a uma minoria de trabalhadores da TAP apesar da companhia ter voltado a registar prejuízos que se estimam acima dos 100 milhões de euros. Para Pedro Nuno Santos é “inaceitável” e “uma falta de respeito” o pagamento de prémios a uma minoria de trabalhadores da TAP, sendo uma empresa que continua a dar prejuízos que se estimam, em 2019, acima dos 100 milhões de euros.

Despenalização da eutanásia pode vir a ser aprovada hoje no Parlamento

Caso venha a comprovar-se a aprovação de, pelo menos, um dos projetos de lei, a Assembleia da República abre a porta a que Portugal se torne o quinto país europeu onde a morte medicamente assistida é permitida.

Embaixadores da União Europeia falham acordo sobre mandato para negociar relação com Londres

Os embaixadores dos países da União Europeia (UE) falharam esta quarta-feira um acordo sobre o mandato para as negociações da nova relação com o Reino Unido após o ‘Brexit’, avançaram fontes comunitárias citadas pela agência espanhola EFE.
Comentários