PSD considera “intolerável num Estado de direito” cedência de dados pessoais de manifestantes anti-Putin

O presidente do PSD, Rui Rio, quer chamar ao Parlamento o autarca lisboeta para prestar mais esclarecimentos sobre o caso e sublinha que, dada a gravidade do caso, Fernando Medina pode ser forçado a demitir-se.

JOSE COELHO/LUSA

O Partido Social Democrata (PSD) considerou esta quinta-feira “intolerável” a cedência, por parte da Câmara de Lisboa, de dados pessoais de ativistas anti-Putin a Moscovo “num Estado de direito”. O presidente do PSD, Rui Rio, quer chamar ao Parlamento o autarca lisboeta para prestar mais esclarecimentos sobre o caso e sublinha que, dada a gravidade do caso, Fernando Medina pode ser forçado a demitir-se.

“Na prática, a Câmara Municipal de Lisboa denunciou os ativistas pela liberdade e pela democracia contra um Governo que não respeita essa liberdade e essa democracia. Essas pessoas não sei se correm perigo em Portugal, mas se regressarem à Rússia correm perigo seguramente. Isso não é grave; é gravíssimo. Num país democrático isso é intolerável”, referiu Rui Rio, em conferência de imprensa.

Em causa está a divulgação às autoridades russas de dados pessoais (nomes, moradas e contactos telefónicos) de três manifestantes anti-regime que participaram em janeiro num protesto em frente à embaixada russa em Lisboa, a exigir a libertação do opositor russo Alexey Navalny.

Rui Rio está certo de que, em nenhum país da União Europeia, se faria “semelhante coisa” e que o caso é motivo de “vergonha para Portugal”, especialmente numa altura em que “a Rússia apoiou o desvio de um avião pela Bielorrússia para prender um oposicionista ao regime ditatorial bielorrusso” e em que “é praticamente certo que o oposicionista russo Alexei Navalny foi envenenado pela Rússia”.

“Por ironia do destino, acontece também na mesma semana em que o Governo nomeia comissários para comemorar os 50 anos do 25 de Abril, que se fez precisamente contra atitude destas”, acrescentou.

Rui Rio diz que é cedo pedir a demissão do autarca (apesar de Carlos Moedas, candidato que o PSD apoia na corrida a Lisboa já ter vindo exigir a demissão de Fernando Medina), mas adianta que “o que está em cima de mesa é muito grave” e que, “depois de estar tudo esclarecido, poderá levar a demissão”.

A fim de obter mais esclarecimentos sobre a polémica, o PSD vai entregar no Parlamento um requerimento para ouvir “com urgência” Fernando Medina e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, para que “fique tudo esclarecido na próxima semana”.

O líder social-democrata entende que importa perceber que lei é que Fernando Medina diz ter cumprido com este procedimento e, se essa lei existe, “porque é que diz que já não vai cumprir”, após ter sido conhecido este caso. Rui Rio quer ainda saber se a câmara de Lisboa já denunciou “situações similares” (incluindo se o atual primeiro-ministro, António Costa, cumpriu essa lei quando foi autarca em Lisboa) e se há outras câmaras a fazerem o mesmo.

“Não estará ele [Fernando Medina] a incumprir outra lei, eventualmente até do foro criminal?”, questionou, sugerindo que essa é uma questão “interessante” de ser avaliada pela Provedora de Justiça.

Recomendadas

BE recomenda que restrições sejam “gradualmente substituídas por medidas de responsabilidade coletiva”

“Não nos parece que, por exemplo, restrições horárias ao comércio à restauração, a existência de recolher obrigatório, as limitações horárias a espetáculos culturais façam sentido neste momento”, disse Moisés Ferreira.

Relatório final da Comissão de Inquérito ao Novo Banco aprovado com votos contra do PS e abstenção do CDS

O relatório final da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco imputadas ao Fundo de Resolução foi aprovado com os votos contra do PS e com a abstenção do CDS.

PCP pede que Governo coloque de lado “estratégia de comunicação alarmista”

Os comunistas acreditam que “o que a atual situação epidemiológica reclama, mais do que insistência em restrições, é a adoção de medidas que permitam recuperar atrasos na vacinação, a implementação da testagem e o reforço das equipas de saúde pública”.
Comentários