PSD considera que é “absolutamente essencial” aproveitar os fundos europeus

Joaquim Miranda Sarmento acredita que o principal problema das empresas portuguesas é “a falta de capitalização” e considerou “absolutamente essencial” que se aproveitem os fundos europeus que podem permitir capital às empresas portuguesas em vez “de estarem a pedir dívida”.

Joaquim Miranda Sarmento | Cristina Bernardo

O presidente do Conselho Estratégico Nacional (CEN) do PSD, Joaquim Miranda Sarmento, defendeu ser “absolutamente essencial” aproveitar os fundos europeus, à saída de uma reunião de quatro horas com empresários algarvios em Albufeira, reportou a página do partido, esta sexta-feira, 25 de setembro.

O economista é da opinião que o principal problema das empresas portuguesas é “a falta de capitalização” e considerou “absolutamente essencial” que se aproveitem os fundos europeus que podem permitir às empresas portuguesas “conseguirem capital” em vez “de estarem a pedir dívida”.

O presidente do CEN recordou que em abril o PSD tinha apresentado “um conjunto de medidas relacionadas com o Banco de Fomento e com o Banco Europeu de Investimentos” que estarão presentes também no programa estratégico do partido liderado por Rui Rio.

Outras das preocupações a que o PSD “vai procurar atender”, segundo Joaquim Miranda Sarmento vão ser a crise no turismo provocada pela pandemia de covid-19, a falta de água na região, os acessos rodoviários ao interior do Algarve, o Hospital Central e a captação de recursos humanos, que são as principais preocupações dos empresários algarvios.

As verbas provenientes do conselho europeu foram abordadas por Rui Rio esta semana, a 21 de setembro, depois da reunião com o primeiro-ministro, António Costa, sobre o Plano de Recuperação e Resiliência do Governo. Em conferência de imprensa, o presidente social-democrata frisou que o dinheiro vindo de fundos europeus é “um montante excecional” e “tem seguramente de dar alguma resposta a curto prazo, é verdade, mas tem acima de tudo de dar resposta a longo prazo”.

“Não podemos perder esta oportunidade e portanto este programa tem de ser desenhado tendo em vista o futuro e, nessa perspetiva, há uma pedra que é fundamental que passa pela competitividade da economia”, destacou o líder social-democrata.

A 30 de julho, o presidente do PSD anunciava um projeto de retoma da economia, contemplando já os fundos europeus destinados que visam atenuar os efeitos da pandemia. Um programa que terá “um especial cuidado com o Algarve”, direcionado para as empresas “do turismo, da restauração e da hotelaria”, garantiu Rui Rio em visita ao Algarve.

Na mesma ocasião, líder do PSD sublinhou ainda que a intervenção do Estado, através da Segurança Social, das instituições de solidariedade social e das câmaras municipais. “Tem de haver proximidade para dar essa ajuda e depois para que a economia retome e todas essas pessoas possam ser absorvidas pelo mercado de trabalho”, ressalvou.

Ler mais
Relacionadas

“Mais uma história muito pouco linear do Banco Bom”. Rio pede investigação a venda de subsidiária de Novo Banco

O líder do PSD descreveu a venda da subsidiária francesa do Banco Espírito Santo de la Vénétie (BESV) como sendo “mais uma história muito pouco linear do Banco Bom”.

Como ser eficaz na luta contra a pandemia? Assista ao “Primeira Pessoa” com Ricardo Baptista Leite

O médico e deputado do PSD tem sido uma das vozes mais ativas na luta contra a pandemia em Portugal. No programa “Primeira Pessoa”, da plataforma JE TV e com moderação do sub-diretor do JE, Leonardo Ralha, Ricardo Baptista Leite explica como a Covid-19 está a transformar a sociedade.
Recomendadas

PSD questiona Governo sobre atrasos na campanha de vacinação contra a gripe

Os social-democratas alertam que as vacinas adquiridas pelo Governo são “suficientes para vacinar todas as pessoas que o queiram fazer” e sublinham que esta é uma realidade ainda mais “preocupante”, tendo em conta a pandemia da Covid-19.
Susana Coroado, presidente da Transparência e Integridade

Susana Coroado: “Não se compreende como foi aprovada a ida de Mário Centeno para o Banco de Portugal”

Presidente da Transparência e Integridade considera que a classe política ainda não presta atenção aos conflitos de interesses e aos casos de corrupção. Gostaria de ver as alterações ao Código dos Contratos Públicos vetadas e admite que chegue o dia em que a sua associação se tornará desnecessária. “Deixar de existir seria a nossa grande vitória”, diz.
Comentários