PSD de Lisboa questiona Governo sobre “impreparação” do SNS para dar resposta a eventual segunda vaga da Covid-19

Em causa está, segundo o PSD, a “incapacidade de resposta” dos serviços de urgência do Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, em dar resposta à “anormal afluência” registada. Os social-democratas alertam ainda que essa afluência pode vir a aumentar em caso de sobreposição do pico da gripe com uma possível segunda vaga de Covid-19.

A distrital de Lisboa do Partido Social Democrata (PSD) pede ao Governo que esclareça se o Serviço Nacional de Saúde (SNS) está (ou não) devidamente preparado para dar resposta a uma eventual segunda vaga de Covid-19. Em causa está, segundo o PSD, a “incapacidade de resposta” dos serviços de urgência do Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, à afluência registada e que pode vir a aumentar com o pico da gripe.

O presidente da distrital de Lisboa do PSD, Ângelo Pereira, considera, num comunicado enviado às redações, que o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, tem dito que o país está preparado para uma segunda vaga da Covid-19 “sem conteúdo real”. Isto porque, segundo o PSD, o Hospital São Francisco Xavier tem demonstrado vários “constrangimentos” em lidar com o aumento de procura dos serviços hospitalares devido à pandemia.

“Há cerca de três semanas, ouvimos, por parte do secretário de Estado da Saúde, que Portugal estaria preparado para uma segunda vaga, mas a verdade no terreno é que as unidades de saúde não têm sido devidamente reforçadas para responder aos desafios que temos pela frente. Das duas uma: ou o secretário de Estado da Saúde fez esta declaração de intenção sem conteúdo real, ou este processo está evidentemente a falhar”, refere Ângelo Pereira.

As críticas do PSD surgem depois de, na semana passada, a Direção Regional da Delegação do Sul do INEM ter denunciado que o Hospital São Francisco Xavier tem vindo a recusar doentes transportados em ambulância até às 00h00 de sexta-feira devido a “constrangimentos no serviço” motivados por uma “afluência anormal ao serviço de urgência”. Os doentes são, assim, deslocados para hospitais longe da sua área de residência.

Também o Hospital Amadora-Sintra enviou, em junho, pelo menos, quatro pessoas infetadas com Covid-19 para o Hospital de Santarém, devido à “falta de capacidade” para admitir novos doentes.

A distrital de Lisboa do PSD questiona “como é que é possível que, perante a situação que o país atravessa, o Governo não assegure as condições necessárias para que os hospitais e as unidades de saúde tenham capacidade de resposta para os desafios que se avizinham” e defende que é preciso “agir proativamente” para garantir uma resposta atempada em caso de “sobreposição do pico da gripe com a segunda vaga da Covid-19”.

“A questão que se coloca é se neste momento presenciamos tamanhos constrangimentos, como podemos esperar uma resposta digna e eficiente no Inverno, no pico de gripe sazonal? Apesar de não ser certa uma segunda vaga de Covid-19, os especialistas apontam para a sua elevada probabilidade. Torna-se urgente assegurar o bom funcionamento do SNS com o reforço das equipas”, defende Ângelo Pereira.

E acrescenta: “A preparação tem que começar agora, com mais do que apenas intenções, mas com evidência e ação no terreno”.

Ler mais
Relacionadas

Portugal sem mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas. Registam-se 106 casos

Região de Lisboa e Vale do Tejo regista o número mais elevado de infeções ao dia de hoje, tendo confirmado mais 66 casos em relação aos dados da véspera. O número de casos recuperados em Portugal aumentou para 37.111.
Recomendadas

Fisco vai anular multas de 75 euros a trabalhadores independentes que esperam apoio extraordinário

A denúncia partiu hoje da Precários Inflexíveis, dando conta que muitos destes trabalhadores relataram à associação não conseguir submeter o pedido para o apoio relativo a julho, devido ao prazo curto para submeter o requerimento (uma semana, sem aviso prévio) e o tempo que leva a ser confirmada a reabertura de atividade.

Bolsonaro diz que subsídios para os mais pobres na luta contra a pandemia não são eternos

De acordo com a imprensa brasileira, Bolsonaro justifica o aumento da despesa pública com a atribuição de subsídios aos mais carenciados, para mitigar efeitos da pandemia da Covid-19. Contudo, o presidente do Brasil diz que apoios não são para sempre.

Covid-19: Açores com sete novos infetados nas últimas 24 horas

A autoridade de saúde regional “decorrentes das 1.020 análises realizadas nos dois laboratórios de referência da região nas últimas 24 horas, foram diagnosticados sete casos positivos de covid-19”, dos quais “três em São Miguel, um na Terceira e três no Faial”.
Comentários