PSD diz que Governo discrimina profissionais do circo e da tauromaquia

O partido classificou como “inaceitável e lamentável que o Governo, mais uma vez, proceda desta forma discriminatória e tome uma decisão que só pode resultar do preconceito”.

O Partido Social Democrata (PSD) acusou esta terça-feira o Governo de descriminar os profissionais do circo e da tauromaquia quem ainda não foi permitido retomar atividade.

Numa pergunta dirigida à ministra da Cultura, Graça Fonseca, o PSD considerou “inaceitável e lamentável que o Governo, mais uma vez, proceda desta forma discriminatória e tome uma decisão que só pode resultar do preconceito e do capricho de quem governa, dado que se desconhecem critérios científicos, lógicos e racionais para tal deliberação”.

“Além disso, determinar que podem realizar-se espetáculos em recinto coberto ou ao ar livre, excluindo “praças, locais e instalações tauromáquicas”, constitui uma violação grosseira da Constituição por parte do Governo, uma vez que subsiste o dever constitucional e a responsabilidade de quem governa para com a Tauromaquia, enquanto atividade cultural integrante do património português”, sublinham os deputados social-democratas lembrando que ontem os “cinemas, teatros, auditórios e salas de espetáculos voltaram a funcionar”.

Assim, o PSD questionou o Governo sobre a data da retoma das atividades circenses e de tauromaquia, mas também relativamente ao critério para que estes eventos ainda não tenham retomado.

Para o partido liderado por Rui Rio, a situação passada com os circos e a tauromaquia reflete “o facto de a cultura estar sob a alçada de uma ministra que, das duas uma, ou ignora deliberadamente a legislação portuguesa, ou então acha que pode gerir o Ministério da Cultura com base na discriminação, impondo o seu gosto pessoal ou a arrogância”.

Relacionadas

Transição digital: PSD propõe medidas complementares para evitar que PRR seja “fonte de novas desigualdades”

Os social-democratas defendem que a recuperação da economia é uma “oportunidade ímpar” para reduzir as assimetrias existentes e tornar o país mais coeso, dotando o Interior de literacia digital, infraestruturais e condições atrativas às empresas.
Recomendadas

Governo dá mais 11 milhões ao Garantir Cultura para projetos não empresariais

O anúncio dos serviços do Ministério da Cultura dá igualmente conta de que o programa Garantir Cultura, destinado ao tecido empresarial, com uma dotação orçamental de 30 milhões de euros, provenientes de fundos comunitários, recebeu 718 candidaturas.

Boa Nova é o primeiro hostel na ilha açoriana da Graciosa

A ideia do hostel partiu das irmãs Catarina e Maria Gama, ambas responsáveis pelo projeto, que visava colmatar a lacuna existente na ilha que não oferecia este tipo de alojamento.

Filme “Chelas nha kau” do coletivo Bataclan 1950 na programação de festival britânico

O 28.º festival Sheffiled Doc/Fest, dedicado ao documentário e às artes audiovisuais, decorrerá de 04 a 13 de junho, em formato híbrido, com sessões em sala e programação ‘online’. Na direção deste festival está, desde final de 2019, a programadora portuguesa Cíntia Gil.
Comentários