PSD pede ao Governo para incluir desporto na aplicação da “bazuca” europeia

Os social-democratas criticam o Governo por não estar “ciente” da “gravidade e urgência” da situação com a qual se defronta o setor desportivo e alertam para as dificuldades de várias organizações em retomar a atividade no pós-pandemia.

O Partido Social Democrata (PSD) quer que parte dos fundos do Plano de Recuperação e Resiliência e do Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027 sejam destinados ao desporto. Os social-democratas criticam o Governo por não estar “ciente” da “gravidade e urgência” da situação com a qual se defronta o setor desportivo e alertam para as dificuldades de várias organizações em retomar a atividade no pós-pandemia.

Num projeto de resolução entregue na Assembleia da República, a bancada do PSD nota que o desporto gera cerca de 1,13% do PIB nacional e que a pandemia teve um “impacto económico muito forte” no setor, “desde o desporto profissional até ao desporto de formação, clubes e associações recreativas, atletas, treinadores, equipas desportivas, eventos desportivos, movimento associativo profissional e amador”.

A falta de público, a paralisação da atividade dos escalões de formação, o cancelamento das competições desportivas, o abandono da prática desportiva por muitos atletas federados, a ausência de receitas são alguns dos problemas identificados pelo PSD que colocam em causa a sustentabilidade de muitas organizações e “faz perigar a viabilidade deste sistema retomar a sua atividade no contexto pós-pandémico”.

O grupo parlamentar do PSD critica a falta de atuação do Governo e diz que o Executivo de António Costa “não tem reagido nem dado mostras que compreende a gravidade e urgência da situação excecional com a qual se defronta o sistema desportivo nacional” nem está “ciente dos possíveis danos duradouros ao potencial económico e no emprego no desporto, bem como à saúde pública como um todo”.

“A ausência, ao longo deste ano, de qualquer medida relevante e substantiva por parte do Governo em apoio ao Desporto coloca em causa, a sobrevivência da já debilitada atividade de muitos clubes e, assim, assistirmos ao colapsar do tecido associativo desportivo do nosso país, com todas as consequências graves que implicarão na coesão territorial”, sublinha o partido liderado por Rui Rio.

O PSD apela, por isso, a que o Governo que apoie o setor desportivo com financiamento nacional e diferentes fundos estruturais da União Europeia, nomeadamente o Plano de Recuperação e Resiliência e o Quadro Financeiro Plurianual 2021-2007, e assegure, no âmbito desses fundos, a integração do setor do desporto nas linhas de financiamento e mecanismos de apoio previstos a nível nacional e comunitário.

Esses apoios têm em vista apoiar o funcionamento das organizações desportivas e a sua digitalização e a construção, requalificação e modernização das instalações, dos equipamentos e das infraestruturas desportivas. Além disso, o PSD quer criar ainda uma linha de financiamento para a realização de eventos desportivos internacionais em Portugal e retomar a publicação regular da Conta Satélite do Desporto pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

“O desporto desempenha funções sociais relevantíssimas ao promover a inclusão social , a integração , a coesão e valores como o respeito e a compreensão mútuos, a solidariedade, a diversidade e a igualdade, os estilos de vida saudáveis e a prevenção dos comportamentos de risco das gerações mais jovens”, sublinha.

Ler mais
Recomendadas

SuperLiga Europeia: o que resta do terremoto que agitou o futebol europeu? Hoje há “Jogo Económico” com Miguel Poiares Maduro

Acompanhe o programa “Jogo Económico” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Paragem da Liga portuguesa a 10 jornadas do fim com impacto significativo nas SADs na época passada, estima EY

De acordo com a análise de Miguel Farinha, partner e líder de Strategy and Transactions da EY, que consta da quarta edição do Anuário do Futebol Profissional Português, produzido pela EY, numa parceria com a Liga Portugal, este valor “fica aquém da real dimensão da indústria, uma vez que não contempla impactos indiretos e induzidos”.

Diminuição de receitas no futebol português reduziu contribuição para o PIB na época passada para 494 milhões (com áudio)

Em comparação com a temporada de 2018/19, e de acordo com o anuário da Liga, a época passada trouxe uma quebra de 55 milhões de euros na contribuição do PIB, com a seguinte distribuição pelas três Ligas consideradas: Liga NOS (480 milhões); Liga Pro (9 milhões) e Liga Portugal (5 milhões).
Comentários