PSD quer audição urgente de Mário Centeno no Parlamento devido a alteração nas PPP

Deputados sociais-democratas da Comissão de Orçamento e Finanças querem ouvir ministro das Finanças por estarem preocupados com “diminuição da transparência” na constituição de parcerias público-privadas.

© Jornal Económico/ Fotografia: Cristina Bernardo

O grupo parlamentar do PSD apresentou um requerimento da audição urgente do ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno, na Comissão de Orçamento e Finanças, para esclarecer a alteração ao Código de Contratos Públicos, publicada na quarta-feira, que os deputados sociais-democratas consideram parecer “evidenciar uma diminuição da transparência e um aumento da discricionariedade na constituição das parcerias público-privadas, dificultando o respetivo escrutínio público”.

Segundo o requerimento assinado pelos deputados do PSD com assento nessa comissão parlamentar, “acresce que aparenta existir uma redução da intervenção e do poder de decisão do ministro das Finanças em todo o processo da constituição de parcerias, face à legislação que vigorou até ao momento”, o que os sociais-democratas dizem constituir “também motivo de apreensão”.

As alterações ao Decreto-Lei n.º 111/2012, que disciplina a intervenção do Estado na definição, concepção, preparação, concurso, adjudicação, alteração, fiscalização e acompanhamento global das parceiras público-privadas, implicam que deixe de ter tida em conta a análise de custo-benefício nas parcerias público-privadas como requisito inicial. Algo que já provocou reações críticas do CDS-PP e do Bloco de Esquerda, que pretendem a avaliação parlamentar do diploma.

 

Recomendadas
Grupo Parlamentar do PS

Morreu Miranda Calha, histórico da Assembleia da República e ex-governante socialista

Deputado por Portalegre entre 1975 e 2019, o socialista Miranda Calha foi ainda secretário de Estado do Desporto de António Guterres, e secretário de Estado da Defesa de José Sócrates. Não resistiu ao AVC que sofreu neste sábado.

Governo legaliza estrangeiros em situação irregular 

O diploma “determina que a gestão dos atendimentos e agendamentos seja feita de forma a garantir inequivocamente os direitos de todos os cidadãos estrangeiros com processos pendentes no SEF, no âmbito da covid-19” e argumenta com a necessidade de dar resposta aos pedidos destes estrangeiros em Portugal em situação irregular.

Marcelo apela a respeito pela contenção no período da Páscoa

É um apelo coletivo. No fundo, estamos perante uma tarefa coletiva, que estamos a viver, que estamos a vencer, porque a adesão dos portugueses é massiva, mas tem de continuar”, afirmou o Presidente da República.
Comentários