PSD quer zona franca e registo de navios incluídos em estratégia atlântica

O deputado do PSD, Paulo Neves, afirmou que o Centro Internacional de Negócios (CINM) e o Registo de Navios (MAR) são de enorme importância para o país, e por isso deveriam ser prioritários para o Governo da República.

O deputado do PSD na Assembleia da República, Paulo Neves, pediu ao ministro dos Negócios Estrangeiros, para defender o Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM) e o Registo de Navios (MAR) como parte de uma estratégia atlântica de Portugal.

O social democrata entende que estes organismos são de “enorme importância” para a política atlântica do país, e por isso devem ser prioritários para a República.

Paulo Neves criticou ainda o “aumento considerável” das importações e o “aumento tímido” das exportações, sublinhando a sua preocuparão com “a tendência de um aumento das importações muito superior ao das exportações”.

“Estas últimas têm crescido muito pouco ao contrário das importações o que motiva um défice da balança. Uma situação bastante preocupante”, disse o social democrata.

Recomendadas

Universidade da Madeira abre 635 vagas, Artes e Humanidades com maior oferta

O curso de Engenharia Informática é o que disponibiliza mais vagas. Para além das 635 vagas da Universidade da Madeira, é preciso acrescentar as ofertas da Escola Superior de enfermagem de São José de Cluny, que disponibiliza um curso, e também os cursos abertos pelo Instituto Superior de administração e línguas, que abre vagas em três cursos.

Madeira: BE diz que foi precursor da implementação do Orçamento Participativo

O grupo parlamentar do BE critica o PSD por ter rejeitado a proposta de Orçamento Participativo apresentada pelos bloquistas na Assembleia Regional, e o Governo Regional por indecentemente se ter apropriado de uma iniciativa que não é sua.

Cafôfo defende capacitação das pessoas no combate à pobreza

O candidato do PS diz não ser favorável ao assistencialismo, afirmando que “temos de criar um plano de intervenção para combate à pobreza e à exclusão, mas que possa capacitar as pessoas, de modo a que possam ter a dignidade que merecem de autogovernar-se”.
Comentários