PSD questiona Governo sobre apoios para portugueses que estão retidos no estrangeiro

O PSD recordou que “ainda se encontram por regressar a Portugal cerca de 430 portugueses, espalhados por 35 países”

O Grupo Parlamentar do PSD entregou uma pergunta ao Governo sobre os apoios para o regresso a Portugal dos portugueses que ainda se encontram retidos no estrangeiro.

Os sociais-democratas pretendem saber quantos portugueses solicitaram apoio e ainda estão no estrangeiro, em que países se encontram estes portugueses e quais as ações concretas estão a ser tomadas pelo Governo para garantir o regresso desses cidadãos a Portugal.

“Sabendo que é da responsabilidade do Estado assegurar o apoio a todos estes portugueses não deixando ninguém para trás – como sempre foi o nosso inabalável princípio, num momento tão complicado como este, é fundamental que continuem os esforços para concretizar o regresso de todos os portugueses que tenham solicitado o apoio do Governo para esse efeito”, lembra o PSD.

“Ainda se encontram por regressar a Portugal cerca de 430 portugueses, espalhados por 35 países”, salientou.

Cerca de 4.900 dos 5.500 portugueses no estrangeiro que pediram apoio já regressaram a Portugal, anunciou a 5 de maio, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. Nessa altura o ministro disse que o Governo teve dificuldades especiais no repatriamento de portugueses dos Estados Unidos, Brasil e Venezuela.

“Ao dia e hora em que falo, dos cerca de 5.500 pedidos de apoio que nos foram dirigidos – de turistas, viajantes e trabalhadores não-residentes – foi possível apoiar o regresso de cerca de 4900 dessas pessoas”, referiu o ministro durante uma audição na comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas da Assembleia da República.

Além dos regressos, Augusto Santos Silva afirmou que cerca de 700 a 800 portugueses que, estão principalmente nos EUA e Brasil, ainda precisavam de apoio para regressar a Portugal.

Ler mais
Recomendadas

PAN: “Estado de Emergência não significa necessariamente que tenha que existir um confinamento”

Em declarações ao Jornal Económico, Inês Sousa-Real assinala que “o que importa neste momento é percebermos onde é que estão as cadeias de transmissão”, defendendo que proporcionalidade e adequação das medidas consoante as localidades e regiões.

“Não desistimos de nenhuma batalha antes de acabar”. PCP apresenta propostas de alteração ao OE 2021

Entre as medidas apresentadas, no campo da justiça fiscal, João Oliveira anunciou que os comunistas pretendem a “atualização dos escalões IRS, o aumento de mais um escalão neste imposto aumentando a progressividade do mesmo, bem como o aumento dos chamados valores do mínimo de existência e dedução especifica, permitindo cumprir o objetivo de redução da tributação dos rendimentos mais baixos, intermédios”.

Governo vai ter de responder a providência cautelar do Chega contra restrições à circulação sem estado de emergência

Supremo Tribunal Administrativo dá 24 horas ao Conselho de Ministros para se pronunciar sobre alegação de inconstitucionalidade da resolução que proíbe deslocações entre concelhos das 00h00 de sábado até às 06h00 da próxima terça-feira.
Comentários