PSI 20 em baixa arrastado pelo BCP

O Millennium bcp liderou as perdas, caindo 3,97%, para 0,2055 euros. O Banco de Portugal e o Banco Central Europeu estão a analisar uma auditoria interna ao banco para sobre a contratação do ex-assessor de Manuel Pinho no Governo de José Sócrates.

Reuters

O PSI 20, o principal índice da bolsa nacional, encerrou a sessão desta terça-feira a recuar 0,3% para 5.056,37 pontos, numa sessão em que a retalhista Jerónimo Martins renovou máximos de março de 2018 e o BCP afundou por causa das notícias sobre uma auditoria interna à contração de um ex-assessor de Manuel Pinho.

A semana tem sido marcada pelo ataque de drones a duas instalações de petróleo saudita, que reduziram em 50% a capacidade produtiva do maior país exportador de petróleo do mundo. Depois de ter iniciado a sessão de segunda-feira a valorizar 20%, o preço do “ouro negro” tem vindo a cair.

À hora do fecho do mercado em Portugal, o barril de Brent, referência para o mercado europeu, caía mais de 6%, para 64,48 dólares, enquanto do West Texas Intermediate perdia mais de 5%, para valores próximos dos 60 dólares.

O mercado está agora atento à Reserva Federal norte-americana, que deverá anunciar uma decisão sobre o futuro do rumo da política monetária. Espera-se que a Fed anuncie esta quarta-feira um novo corte das taxas de juro depois de, em julho, ter cortado a federal funds rate pela primeira vez em mais de uma década.

Em Portugal, numa sessão com quatro subidas e 16 descidas (a NOS manteve-se inalterada), o destaque do dia vai para a subida de 2,55% da Jerónimo Martins, que está agora a negociar em 16,11 euros.

A EDP, por sua vez, subiu 1,19% para 3,4790 euros, seguindo-se a Galp e a REN, que subiram 0,26% e 0,40%, respetivamente.

Em sentido inverso, o Millennium bcp liderou as perdas, caindo 3,97%, para 0,2055 euros. O Banco de Portugal e o Banco Central Europeu estão a analisar uma auditoria interna ao banco para sobre a contratação do x-assessor de Manuel Pinho no Governo de José Sócrates. 

Os títulos dos CTT, que caíram 2,06%, da Mota Engil, que perderam 2,27%, da Semapa (-2,20%) e da Sonae (-2,88%) estiveram entre os que mais perderam esta terça-feira.

Ler mais

Recomendadas

“Não querem partilhar controlo”. Empresas portuguesas explicam à OCDE porque não entram em bolsa

Os custos relacionados, os baixos níveis de liquidez e a complexidade da regulação também foram obstáculos mencionados por mais da metade das empresas num inquérito conduzido pela OCDE.

Falta de liquidez é o principal fator que leva cotadas a abandonar a bolsa portuguesa, diz a OCDE

A OCDE sublinha que, nas últimas duas décadas, o número de empresas cotadas na bolsa de valores portuguesa diminuiu em dois terços, de 148 para 55, resultado de uma queda no número de novas listagens e um grande número de empresas que deixaram o mercado de ações através de cancelamentos de registo.

Juros da dívida portuguesa sobem a dois, a cinco e a 10 anos

Cerca das 08:30 em Lisboa, os juros a 10 anos avançavam para 0,582%, contra 0,571% na quarta-feira, depois de terem subido até 1,441% em 18 de março.
Comentários