PSI 20 em baixa com tombo de 8% da Altri

A pressionar o índice português estão sobretudo as quedas da Jerónimo Martins (-1,04%) e Galp Energia (-1,38%).

A bolsa portuguesa acordou em terreno negativo e mantém-se em baixa no início desta manha desta quarta-feira, dia 5 de dezembro. O principal índice português, PSI 20, recua 0,44%, para 4.916,59 pontos, pressionado por quedas como as da Jerónimo Martins (-1,04%, para 10,49 euros) e da Galp Energia (-1,38%, para 14,66 euros).

Ainda assim, a liderar as desvalorizações está a Altri, que tomba 8,83%, para 5,99 euros. Antes da abertura do mercado, a empresa da pasta e do papel comunicou à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários ter recebido, na presente data, informação “sobre a conclusão da oferta particular de venda de ações da Altri SGPS através de um processo de Accelerated Bookbuilding, pela sociedade Global Portfolio Investments”. A sociedade espanhola alienou 6.255 milhões de títulos da papeleira (3,10% do capital social).

Na praça lisboeta estão também a ‘vermelh0’ as ações do BCP (-0,20%, para 0,25 euros), da Mota-Engil (-1,05%, para 1,70 euros) ou da EDP, Semapa e CTT, que caem 0,32%, 0,29% e 0,63%, pela mesma ordem. Em contraciclo, com ganhos: NOS (+0,37%), F.Ramada (+1,15%), Sonae (+1,16%), REN (+0,08%) E EDP Renováveis (+0,72%) e Navigator (+0,43%).

A Europa negoceia igualmente pessimista, seguindo o exemplo do fecho do mercado asiático (Nikkei -0,59%; China A50 -0,61%; Shanghai -0,61%; Hang Seng -1,58%; Kospi -0,62%). O índice alemão DAX recua 1,08%, o britânico FTSE 100 resvala 1,12%, o francês CAC 40 desvaloriza 1,11%, o italiano FTSE MIB perde 0,64%, o espanhol IBEX 35 desce 1,04% e o holandês AEX recua 1,15%. O Euro Stoxx desliza 1,05%.

“Em resultado das perdas acentuadas sofridas ontem pelas ações americanas, as bolsas do ‘Velho Continente’ ensaiavam em baixa. Os mercados americanos representam, na fase atual, a principal condicionante das bolsas europeias. A queda de ontem de Wall Street deverá ter surpreendido muitos investidores europeus, pelo que poderá representar um duro revés na melhoria que o sentimento desses investidores tinha vindo a demonstrar”, explicam os analistas no CaixaBank/BPI Research, no Diário de Bolsa desta manhã.

O petróleo inverteu a tendência e voltou a descer. A cotação do barril de Brent recua 0,85%, para 61,55 dólares, enquanto a cotação do crude WTI perde 0,68%, para 52,89 dólares por barril. Quanto ao mercado cambial, nota para a depreciação de 0,03% do euro face ao dólar (1,1348) e para a valorização de 0,11% da libra perante a divisa dos Estados Unidos (1,2731).

Ler mais
Relacionadas

“Tariff Man” afunda bolsa de Nova Iorque

Donald Trump fez várias declarações no Twitter e intitulou-se de “homem das tarifas”, num claro sinal de que se as negociações com a China não chegarem a bom porto, o presidente norte-americano poderá impor novas tarifas aduaneiras às importações chinesas.

Grupo Queiroz Pereira e BCP puxam PSI para terreno negativo. Bolsas em queda na Europa

As praças europeias viveram uma sessão de correção. Isto porque ontem Donald Trump escreveu que a China tinha acordado em reduzir ou remover as tarifas sobre o setor automóvel, mas o facto da China não ter confirmado, deixa os investidores apreensivos sobre os acordos.
Recomendadas

Wall Street fecha mista em sessão volátil

O Dow Jones caiu -0,22% para fechar nos 24.370,2 pontos; o Nasdaq subiu 0,16% para 7.031,8 pontos e o S&P 500 desceu 0,04% para 2.636,8 pontos, numa sessão que foi marcada pela volatilidade. No caso do Dow Jones, o índice chegou a perder 24.000 pontos nos piores momentos da sessão, mas finalmente fechou positivo e acima de 24.300 pontos.

Maré verde nos mercados europeus. Bolsa de Lisboa fecha em contraciclo

Ao contrário do que aconteceu em França, com as empresas de retalho alimentar, em Portugal, a Jerónimo Martins e a Sonae SGPS, ambas expostas ao retalho, penalizaram o índice nacional com a nota de que os trabalhadores irão fazer greve na véspera de Natal”, refere a análise da Mtrader.

Setor automóvel guia Wall Street para terrenos positivos

Na segunda sessão da semana, os três principais índices abriram a negociar em terreno positivo. O setor automóvel está a animar os investidores depois dos sinais positivos sobre o progresso das negociações comerciais entre os EUA e a China.
Comentários